Jack-O-Mania XXIII – O nascimento e decadência das Estrelas

Desde a primeira promoção de Wrestling até os dias atuais, a necessidade de um Main-Eventer é indiscutível. Até mesmo em outros esportes de contato como Boxe ou o MMA, esportes que se assemelham ao fato de serem promovidos ao invés de organizados*, são os main-eventers que chamam o público e fazem o dinheiro entrar.

Stone Cold Steve Austin contra Bret Hart. Edge contra Undertaker. Ric Flair contra Hulk Hogan. Mike Tyson contra Evander Holyfield. Vitor Belfort contra Anderson Silva. Shawn Michaels contra Undertaker. Não é a toa que os eventos são promovidos baseados em uma luta principal e com lutadores estampando os materiais promocionais. Celebridades vendem, e nos esportes de contato que são promovidos, as celebridades são os Main-Eventers.

Lembro que meu gosto pela luta começou com Mike Tyson, onde eu dormia e só assistia ao Main-Event, e por Aurélio Miguel, único medalhista de ouro brasileiro em Seul-1988 (foi a primeira olimpíada que assisti, com 3 anos). Da mesma forma a WWE, que me cativou ao ver o “arrasador de corações” Shawn Michaels, nas vozes de Bob Léo e Valadares. Certamente o mesmo acontece com vocês, primeiro se identificaram com um herói, depois começaram a acompanhar por um todo.

WrestleMania III

O papel de main-eventer é muito cobiçado, claro. Ali reside o dinheiro, as chances por títulos (inclusive no Boxe e no MMA) e a fama. Porém, poucos são os lutadores que tem a chance de se integrar a essa classe de performers, e menos ainda os que conseguem se firmar dentro dela.

Um main-event precisa cativar o público. Seja pela sua habilidade no ringue, seja pela sua habilidade de interpretação (mic skill), ou pelo fator inexplicável do carisma, enfim, não importa o meio. A função do Main-Eventer é cativar o público, mante-lo fiel a sua promoção e interessado em acompanhar os eventos.

Pense em um momento memorável do Wrestling e, na maioria da vezes, você pensará num encontro entre dois main-eventers. Sonhe em um momento que você gostaria que tivesse acontecido no Wrestling, e novamente você pensará em Main-Eventers. Se imaginar uma carreira que foi mal aproveitada, será porque alguém não se tornou um Main-Eventer. Main-Eventers são o verdadeiro nome do jogo.

Quando me perguntam a razão do meu súbito desinteresse com a WWE, tenho que responder que é pela falta de Main-Eventers. Não que a WWE não tenha lutadores ocupando esses cargos, mas a maioria deles não consegue me convencer. Quando vejo um lutador recém chegado já recebendo um cinturão que lendas suaram sangue durante anos para chegar perto, e que outras se aposentaram e foram induzidas ao Hall da Fama sem nunca sequer segura-lo, não consigo me sentir agradado. Não que eu seja contra os novos lutadores, pois Main-Eventers são humanos como todos os outros e um dia deverão se aposentar. Porém o processo de criação de um Main-Eventer vai muito além de conceder cinturões. Ele deve ser forjado ao longo do tempo, até alcançar essa “imortalidade”.

Main-Eventers são forjados da mesma forma desde que Wrestling é Wrestling. Com algumas exceções, o potencial main-eventer é selecionado pelos bookers mediante o seu desempenho nos cards inferiores. Bons combates, aumento no número de fãs e uma crescente desenvoltura perante as câmeras e aprendizado. Identificado o potencial main-eventer, é hora de começar a investir no mesmo. Investimento que vem através de feuds secundárias, títulos intermediários e aumento de tempo-útil no show. O lutador continua a ser observado e se continuar em crescente, será finalmente dada uma chance para que o mesmo ocupe o seu lugar no panteão da companhia.

Geralmente essa chance vem através de uma rivalidade com algum Main-Eventer já consolidado. O lutador faz uma feud, busca o título e geralmente perde combates, pois perdendo os combates a feud terá uma continuidade e a obrigação de manter a rivalidade viva continuará nas mãos do experiente campeão. No desenrolar da feud, o aspirante a Main-Eventer observará uma estrela em ação, aprenderá a se posicionar perante o público, a fazer um combate em alto-nível, a promover shows, a manter o contato certo com o seu público e a ter uma boa habilidade no microfone. Tudo isso observando e ouvindo o já experiente Main-Eventer que está no sucesso por mais de 10 anos. Um dia o antigo aspirante derrotará o campeão e conquistará o seu lugar no olimpo. Daquele dia em diante, ele terá as mesmas responsabilidades que o campeão-deposto possuía e caberá a si mesmo manter toda a atmosfera ao seu redor.

Não retirei todo esse processo da minha cabeça, mas uma observação rápida e encontraremos tudo isso acontecendo com: Buddy Rogers/Harley Race e Ric Flair, Ric Flair e Sting, Bob Backlund/The Iron Sheik/Andre the Giant e Hulk Hogan, Hulk Hogan e Bret “The Hitman” Hart. Bret Hart e Stone Cold Steve Austin. Vince McMahon e Stone Cold Steve Austin. Dusty Rhodes/Ted DiBiase e Undertaker e assim em diante. Exemplos mais novos como Ric Flair e Triple H apoiando Batista e Randy Orton, ou Triple H apoiando The Rock também existem.

Sempre foi assim. Não tem jeito. Menos nos últimos tempos.

A WWE simplesmente perdeu a mão. Os seus grandes Main-Eventers, garantias eternas de público e idolatria, começaram a abandonar a companhia ou a encerrar a carreira um por um. E quando ela se viu com um grupo de Main-Eventers muito reduzido, ficou apenas com duas opções: Ou mantinha a mesma dupla lutando em cada evento, ou promovia os seus “aspirantes a main-eventer” direto do território de desenvolvimento para a calçada da fama. Como a primeira opção seria definitivamente destruidora, o bom senso se fez presente e a segunda opção foi escolhida.

Mas será que a WWE é tão incompetente ao ponto de não ter percebido que suas estrelas estavam envelhecendo e que precisavam criar novos astros?

Nem tanto ao céu, tanto ao mar.

Se puxarmos pela lembrança, a WWE tentou ao longo dos anos criar novas estrelas. O problema é que nenhuma delas realmente vingou. Cito alguns exemplos:

Vladimir Kozlov

Vladimir Kozlov

Vladimir Kozlov chegou com ótimas referências. Sendo uma estrela do “grappling”, muito se esperava do seu poderio in-ring. Com uma gimmick ao estilo “monster” (ou seja: não fala, apenas bate), foi o único lutador que eu me lembro da era moderna que não possuía música de entrada. Nem mesmo uma qualquer. Apenas um perturbador silêncio e uma luz direta. Com um streak inicial completamente absurdo (mais de um ano sem ser derrotado em shows televisionados!), Kozlov rapidamente chamou a atenção de todos, porém na hora de brilhar ele se tornou “apenas mais um russo”.

Mal chegou na companhia Kozlov já teve a oportunidade de brigar pelo cinturão mundial. Participou da feud entre Jeff Hardy e Triple H pelo WWE Championship através de uma Triple Threat Match e ainda pode lutar pelo título contra Triple H e Edge no Survivor Series de 2008, após derrotar The Undertaker no SmackDown! (Por desqualificação, whatever). Outros dois grandes momentos ainda no topo do topo da WWE (Main Eventing do Raw/SmackDown!) foram a participação de Kozlov em uma Elimination Chamber (No Way Out 2009) e a derrota para Shawn Michaels, em um combate que valeria o direito de enfrentar Undertaker em uma WrestleMania (WM XXV). Ou seja, além de passar meses na companhia das maiores estrelas do Wrestling mundial, ainda teve uma ponta de participação em uma das maiores e mais esperadas lutas que o Wrestling poderia ver: Shawn Michaels contra Undertaker na WrestleMania.

Kozlov se mostrou apenas mais um monstro e não foi pra frente. A sua decadência foi ir para ECW onde era usado sempre que Matt Hardy precisava batalhar para ser o #1 Contender. Continuou caindo para duplas na ECW e stables de monstros genéricos. Genérico. O Kozlov se mostrou mais um russo genérico. Faltou personalidade.

Lance Cade

Lance Cade

Lance Cade também perdeu a sua oportunidade de ouro. Sendo treinado por Shawn Michaels, batalhou durante anos na divisão de duplas junto com o caipira Trevor Murdoch. Após já ter um personagem consolidado como low-mid-carder, simplesmente foi chamado para participar da feud Shawn Michaels e Chris Jericho, uma das melhoras feuds que eu pude acompanhar nos últimos anos. Se trabalhar com Chris Jericho e Shawn Michaels não ensinar alguém o que é ser main-eventer, é melhor se aposentar ou se acostumar com o mid-card, afinal os dois são gênios em TODOS os aspectos do Wrestling.

Resultado: Foi demitido repentinamente. Depois de passar mal em um avião e chamar muita atenção de todos com a quantidade de remédios consumidos, a WWE resolveu demiti-lo parecendo prever a sua precoce morte. Após o trauma de Eddie Guerrero e principalmente Benoit, a WWE não queria ver mais um lutador morrendo em “suas mãos” ainda mais no meio da investigação do Senado. Não se cuidou e perdeu a chance.

"Dashing" Cody Rhodes

"Dashing" Cody Rhodes

Cody Rhodes tem Pedigree. Filho do “American Dream” Dusty Rhodes, um dos maiores wrestlers de todos os EUA, ele já chegou na WWE com grande expectativa. Dusty Rhodes foi um booker de grande sucesso e criador de combates interessantes, como o War Games. O irmão de Cody, Goldust, tinha um personagem muito diferente. Todos esperavam que Cody, que tinha o que nenhum dos outros dois membros da família tinham (a aparência), teria também a grande criatividade característica de sua família. Errado.

Logo que chegou, Cody pode se envolver em uma feud com Randy Orton no auge da sua gimmick de Legend Killer. Depois que a storyline só funcionou para Orton, Cody se deu muito bem naquela que foi a última era onde as Tag Teams tinham realmente espaço na WWE. Foi campeão junto com Hardcore Holly, derrotando Tags muito bem estabelecidas, como os Londrick (Paul London + Brian Kendrick), Highlanders (ta, nem tão bem estabelecidas rs) e World’s Greatest Tag Team (Charlie Haas e Shelton Benjamin) até retirar o título das mãos de Trevor Murdoch e Lance Cade.

Mesmo com o título, nada acontecia. Ninguém se empolgava com o Cody Rhodes e ele não conseguia aparecer mais do que o já decaído Hardcore Holly. Sempre que os dois entravam no ringue, a dúvida era “O que Hardcore Holly faz com esse garoto aí?”.

Ted DiBiase chegou na WWE e foi enviado para ficar ao lado de Cody Rhodes, numa tentativa de salvar os dois lutadores com pedigree e visual de main-eventers. Mas não adiantou, Cody Rhodes novamente caiu para segundo plano. DiBiase sempre tinha melhores movimentos, falava com maior propriedade e aparecia melhor na tela.

Mas o que esperar de alguém que durante ANOS de sua vida usava como finisher um DDT SIMPLES? Grande criatividade não é? A coisa mais absurda que já vi.

Mas filho de Dusty Rhodes tem sempre uma nova chance: Ted DiBiase Jr e Cody Rhodes se envolveram com Orton na tão falada Legacy. Tudo para Cody continuar como coadjuvante, já que ao lado de Orton e DiBiase ele simplesmente sumia.

Finalmente em 2010 alguém inventou uma gimmick para o Cody Rhodes, que passou os últimos 4 anos tentando inventar um personagem e um DDT. Como “Dashing”Cody Rodes, o Spinning Facebuster (Que não é lá essas coisas, mas não é um só DDT) se tornou seu finalizador. Um dia ele poderá até ser um main-eventer sim, afinal é filho do Dusty Rhodes, mas lembra de alguém que queimou mais cartucho do que ele?

"The" Brian Kendrick

"The" Brian Kendrick

Brian Kendrick destruiu seu companheiro de anos Paul London. Em uma handicap contra Umaga, ele simplesmente saiu andando e largou o London sozinho. Mas isso não deu em absolutamente nada, já que continuaram lutando juntos como se nada tivesse acontecido, em mais uma atitude da WWE nos chamando de retardados.

Após o Draft de Kendrick para o Smackdown, a dupla acabou, assim como a carreira de London na WWE. Kendrick adotou uma gimmick ruim que não tem nem como explicar. Entrava dançando estranho e arrumou um negão de 20m de altura (Ezekiel Jackson) como guarda-costas. Rapidamente ascendeu ao Main-Event participando de uma das piores idéias de main-event de PPV de todos os tempos: O Championship Scramble do Unforgiven de 2008.

Acabou demitido. Sabe por quê? Porque começou a militar a favor da maconha! Veja se tem noção o porta-voz de uma companhia que possui um programa PG, com público 70% infantil começar a falar a respeito dos benefícios do uso da maconha?

Demitido!

Shelton Benjamin

Shelton Benjamin

O último da minha lista do Hall of Shame tinha que ser Shelton Benjamin. Após anos lutando de forma espetacular no mid-card, após crescer como Tag-Team sem prejudicar o seu parceiro, depois de dar tremendos shows em Money in the Bank matches e o público praticamente implorar para que o Gold Standard ganhasse uma chance ao main-evente, ela finalmente veio. Quando? No Championship Scramble do Unforgiven de 2008.

Quando Shelton teve sua chance, sabendo lutar tão bem, estando em forma e após tantos anos na WWE, ninguém imaginou que ele pudesse ser tão ruim com um microfone na mão. Lembro de uma promo entre Shelton Benjamin, Jeff Hardy, Triple H e Kendrick, onde Triple H havia acabado de humilhar o fanfarrão do Benjamin. Quando todos esperavam a grande resposta do desafiante ao título, o momento em Shelton esperou por toda a sua carreira, ele simplesmente ficou mudo. E quando abriu a boca, sabe o que ele diz? “Eu sou Shelton Benjamin, o Gold Standard”. Mas que inferno é esse? Parece um boneco da estrela que repete apenas uma frase.

Foi limado do Main-Event e limado da WWE. Não tem material de Main-Event.

Eu poderia continuar aumentando a lista com Mr Kennedy, que vivia em contusões, com Jeff Hardy, e seus problemas com as drogas, Matt Hardy, que depois de sua lesão mais grave ficou gordo e nunca recuperou a forma e o trio de fortões Lashley/Batista/Lesnar que mostraram que não gostavam do Wrestling. Apenas queriam ganhar um dinheiro e foram buscar seu caminho em outros lugares. Mas não prefiro encerrar por aqui.

Concluo que a WWE realmente tentou ao longo dos anos formar novos main-events mas a safra foi especialmente complicada. Devido a isso, acabou precisando jogar suas “jóias” do território de desenvolvimento na “fogueira” e dar títulos rapidamente, para que se tornassem os main-eventers em período recorde. Não é que não goste dos lutadores novos, só acho que eles ainda não estão prontos. Os atuais main-eventers estão conseguindo agüentar a pressão sim, mas só daqui a uns 2 anos quando a experiência se mostrar a melhor escola, é que poderemos ver esses lutadores no auge. Até lá, cabe aproveitar que o RAW passa no Brasil e assistir a formação dos novos astros e se conformar, pois é isso que teremos por um longo tempo. Infelizmente, já começo a me conformar que Sheamus terá uns 30 títulos mundiais, fazendo com que o único título mundial do Ricky Steamboat tenha o valor de uma casca de laranja velha. Só não sei como deixaram Kurt Angle sair, AJ Styles, Samoa Joe (sendo que os dois contracenavam com CM Punk no ROH) e Elijah Burke, ou “The Pope” D’angelo Dinero, serem contratados pela TNA.

E vocês? Lembram de mais alguém que jogou suas chances no lixo? Ou alguém que deveria ter tido chances e não teve?

Um abraço e até a próxima!

* A distinção que faço por contra própria entre eventos promovidos e organizados, leva a consideração em que nos eventos promovidos os confrontos são definidos pelos promotores de acordo com a sua vontade. Já nos eventos organizados, há um sistema mais “justo” de marcação de confrontos com chaves e sorteios.

Enquanto MMA/Wrestling são exemplos de esportes promovidos, os esportes olímpicos já são exemplos de esportes organizados.

Anúncios

23 comentários em “Jack-O-Mania XXIII – O nascimento e decadência das Estrelas

  1. Muito Bom.E dos que você falou sobre serem main-eventers acho que o único que realmente merecia seria o Shelton Benjamin.A propósito quando ele estava lutando bem merecia muito mais que alguns outros.

  2. Desses caras ai o Shelton é o que lutava melhor, mas o que tinha mais futuro e “presença” sem duvidas era Koslov.

    Eu fiquei muito triste com o fim da dupla Jesse e Festus, pra mim a melhor dos ultimos anos, mas nossa querida WWE tá cagando pro título de duplas…poderiam ser grandes como outras duplas de antigamente.

    Eu apostava no Kizarny…mas foi aquilo que todos viram…

    Realmente Cody e Ted são uma lástima…eu se fosse Ted já lançava a gimmick do One Million Playboy ha muito tempo, entrava de carrão tunado, cheio de mulé e jogando dinheiro pra galera!

    • Mas Jesse e Festus não era a melhor pois naquela época tinhamos a melhor tag team de todas Deuce e Domino
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Mas temos que lembrar que quando ela ia dar uma melhora nas tags ela levou azar.E você tá certo sobre o Dibiase

    • Concordo com vc Xandão, a gimmick do Ted está pronta ele não quer usar, pode até não ser essa de playboy, mas pode ser qualquer coisa envolvida com dinheiro!

      Acaba que é no mínimno incompreenssível tamanha postura.

      Uma pena alguém talentoso estar sendo esquecido…

        • mas a grande chance do Ted foi naquela mini-feud no fim da legacy, onde ele tinha tudo pra dar uma na cara do Orton e não deu, ele iria virar face, acabou o Orton virando face e começar essa merda que o Orton tá.

  3. Fala aí Grande Jack!

    Muita das coisas ditas aqui a gente tem conversado por msn, e pessoalmente também. Finalmente entendi o que você quis dizer com os novos main eventers serem “crus”, e não discordo, muito pelo contrário. Foi somente ao ler a parte que envolveu os grandes nomes que não foram WWE Champion que isto ficou mais evidenciado, e realmente, muito cara bom não foi campeão mundial, e isto era o que dava a graça ao cinturão na época, pelo o que vejo. Tirando uma conclusão do que vejo atualmente, por exemplo, no MMA: Na mesma categoria onde Edgar é campeão há inumeros lutadores incríveis, se for pra citar tem o Pettis, Sherk, Miller… Vishi, vários. E é isto que torna o Edgar mais respeitado, ser campeão entre os melhores.

    O grande problema atualmente na luta livre é que focou-se tanto na questão do marketing, valorizar exageradamente o main eventer, e por conta disto esqueceu-se bastante dos midcarders… Aí veio o problema, no momento de transição simplesmente tiveram que dar as cintas pros caras novos justificando assim a qualidade deles.

    Mas isso daí só é verdade quando a gente pega os casos aí de Jack Swagger, Sheamus, e quase Wade Barret. Aliás, o Wade Barret é um caso de push meteórico porém bem trabalhado, assim como Alberto Del Rio, e futuramente deverá ser com o Sin Cara.

    É uam fase de transição difícil? É, mas o mais legal de tudo é que estamos vendo o surgimento das novas lendas né… Ou não.

    Sobre os nomes citados, eu gostava do estilozão do Kozlov, pena que não conseguiu firmar bem no ME. O Cody Rhodes, por sua vez, acredito que irá emplacar agora… Shelton tá se dando bem na ROH, acho que a ROH é a federação que mais combina com ele, sucesso para o Gold Standard… Dos que não vingaram e talvez fossem planejados para tal, vale citar o Kizarny… Amigo de Edge e cia ltda, e olha no que deu?

    Aliás, terminando meu comentário, gostaria de citar os caras que atualmente seriam main eventers, se não fosse por erro da equipe criativa. MVP, tava vindo bem no show, mas então… então… WTF? O cara tinha potencial pra ser main eventer tranquiliamente… Dessa nova galera, quem parece estar sendo construído para isto é o Daniel Bryan, ele corresponderá! John Morrison talvez melhore no micro, mas já tem dado muito show no ringue, e tem carisma. CM Punk já está se consolidando na empresa no mesmo molde que você citou.

    No geral, é sempre bom ler uma Jack-O-Mania, só acho você muito pessimista… 😉 Abs!

  4. Eu acho muito chato quando algumas pessoas reclamam dos mesmos ME’s da WWE que duram por muito tempo (não o seu caso, Jack). Sim, acho muito desgastante lutas muito repetitivas, mas lutadores que possam garantir o ME por longos anos, o porque de reclamar? Já que são apenas eles que têm o reconhecimento de carisma, microfone e marketing.

    De tanto reclamar, será que se a WWE tivesse dado a oportunidade de um certo lutador, ele poderia se destacar, como os Main Eventers se destacam em todos os quesitos?

    Sim, hoje eu não enxergo só uma luz no fim do túnel, hoje eu enxergo um verdadeiro refletor de ginásio poliesportivo. A WWE soube nos mostrar homens que têm a capacidade de tomar conta do recado futuramente. É muito bom poder ver CM Punk brilhando, Morrison, Daniel Bryan, Ziggler, entre tantos outros que possuem tanto potencial, que vem ganhando seu espaço aos mínimos tempos de empresa vivenciado.

    Entendo que muita gente “bate na tecla” que esses lutadores citados por mim, deveriam ganhar suas oportunidades a muito tempo atrás. Mas ao meu ver, uma empresa conceituada, a maior do ramo, não possa se equivocar assim. Comparo o Wrestling como um time de base de futebol. Primeiro você avalia, introduz ao profissional, e abre o caminho para sua estrela brilhante.

    Só o que me deixa meio abalado, é como no passado havia tantos ME bons, que sobravam lutadores mid-carders, talvez com o mesmo potencial, fora desse conceito. Nomes como Owen Hart, o grande Ted Dibiase, Rick Rude, e tantos outros que completam a grade com chave de ouro.

    E hoje eu acredito sim, que possam ter ME’S capazes de substituir as grandes lendas que você bem citou no texto.

    É lógico que tem uns que ganham sua oportunidade, lutam bem, possuem boas qualidades no microfone, ótima capacidade de marketing, e de tanto sucesso, acaba desinteressado pelo Wrestling (ouvi alguém falar, Randy Orton? créditos pela piada, a João Aranha :D). Mas isso é de menos. E são poucas as pessoas que não se dedicam e agarram suas chances assim, é lamentável, mas são fatos do cotidiano da WWE, temos que engolir.

    E também outros que ganham suas oportunidades, e na hora do “vamos ver”, não mostra para que veio a empresa.

    É essa a atual situação do ME que analiso, cheio de altos e baixos. Mas hoje, quem sabe não veremos novos ídolos nascerem, a altura de Taker, Hart, HBK, Flair etc. exagero? Acredito que não.

    Abraço Jack, é muito bom poder ver você nesse ritmo de postagem novamente.

  5. Benjamin e Kozlov foram os que tiveram (e tem, como é o caso do Kozlov) mais chances dentro da federação. Os outros foram anulados por motivos explicados.

    Mas é aquela velha história: não basta só ser um lutador excepcional. se fosse só por isso, os títulos mundiais da WWE seriam disputados somente entre uns 3, 4 lutadores.

    Bom texto, Jack. Ficou bem explicada a situação.

  6. São desses textos que gosto: Exagerados, porém que não enjooam, e nem te deixam de uma forma que nem queria ler o ler o texto.. E por isso, parabéns!

    Bom, concordo com o que disse. Os ME’s de hoje não parecem ser AQUELE Main Eventer de verdade, onde tem carisma, tem Mic Skill e lutam bem.

    Infelizmente e/ou felizmente também, começamos a entrar na era onde estão renovando esses futuros MEs. Certo que ainda eles não vão conseguir tudo pra se fixar no topo. Ainda são jovens, não têm experiência suficiente, mesmo que seja pouca, mas ainda falta muito, e além disso, se botarem muita confiança nele tão cedo assim, possam acabar como um Cena ou um Orton da vida que já chegam até encherem o saco… E ninguém quer ver um novato tão bom de hoje, virar um ME como nesses casos, certo?

    É uma pena os ME de antigamente não serem tão valorizados, ou nem se quer os ME (Ou sim). Vários e vários que são lendas, HoF, consagrados e foram idolatrados em sua época, nem conseguiram alcançar o objetivo que realmente queriam: Um World Title. E em outros casos, conseguiram, mas com apenas 1 ou 2, que na época já equivalia a muitos.

    Existe também aqueles que nem reclamar da vida precisam, como Hogan, Flair etc., onde têem vários World Championships, e hoje pode ser considerados lendas e também, “Os melhores da história”… Ou exagero!

    Até um tempo atrás, tivemos os casos de aqueles que mereceram também, mas não foram tão aproveitados como um ME deve ser, como Benoit, Eddie etc…

    Bom, agora nos casos dos novatos, que podem ser aqueles que conseguirão se firmar de ver e que pra mim, terá sim uma boa carreira sem deixar nada a desejar, quem sabe pode ser Drew McIntyre, Ziggler, o Miz que já conseguiu mas ainda precisa de mais um pouco de confiança, Punk que mesmo já tendo 3 World Titles ainda não se encaixou como um dos Tops, esperamos também por Morrison que tá na hora certa, Sheamus que também já tendo uma consagração e tendo um estilão já de ME, precisa dar uma emoção à mais quando tiver outra chance. Outros que posso citar também são Barrett, quem sabe Kofi, e outros que estão muito por baixo mas que em um tempinho podem dar uma subidinha e tentar uma vaguinha pelo menos no Upper Mid Carder.

    E claro, aqueles que já foram visados para serem lendas, adorados, clamados, e o que mais tiver com ado, que são Del Rio, Bryan, e agora quem saiba o Sin Cara… Pra mim, esses três, serão os mais adorados (Ou odiados talvez) num futuro brilhante. O único que talvez não seja (Ou ele mesmo não queira) o ME que ganha tudo, seja mesmo o Bryan, que sera puxado mais pro lado do HBK: Sendo gostado por todos, sempre estando ali no topo, mas gostaria de não influenciar pela disputa de Titles e seu papel mais importante é ajudar os futuros novatos, já que ele já tem tanto tempo no Wrestling e já tem experiência o bastante.

    Pra saber o futuro é impossível (Exceto para Mãe Dinah e Pai Galo). Não tenho nem ideia de quem seja “O escolhido”, ou seja, o cra pra carregar a empresa nas costas, assim como foi Hogan, e assim como hoje é Cena… Talvez não tenha por esses futuros MEs serem bem mais disputados, e não garanto que deve ter sim um escolhido!

    É, alguns casos de quem tinha tudo pra dar certo, e não deu… Shelton que o diga. Sabia lutar muito bem, fazia coisas incríveis, foi o cara que dava alegria de ver uma MITB xD e acabou por não dar em nada. E nem acho que seja SÓ por causa da Mic Skill… Eu mesmo, olhando pra ele, não tenho nem ideia de como seria ele com um WHC ou WWE Title… Ele não a pinta, a imagem de um ME. Pra mim, foi isso que esculhambou com ele, e agora que se contente e consiga algo na ROH!

    Um que eu me recordo, e que ainda está na WWE, é o Swagger. Todos falavam quando ele era da ECW “Ah, esse é o futuro”, e talz. Tá, conseguiu pelo menos ganhar um carisma, mas depois que foi pra RAW, só fez MERDA… Em um tempo, parecia que ele ganharia um Push, mas depois de 6 meses tentando ir atrás do title que ficou por esse tempo todo nas mãos do Kofi, era certeza de que outro apareceria, e nada mais nada menos do que o Miz apareceu e “tomou” a vaga do Swagger, e com isso, era o começo do grandioso Push pro Miz, e cada vez mais o náufrago do barco do Swagger.
    Porém, não sei como do nada ele venceu a MITB e quando pareceu que FINALMENTE ele conquistaria espaço, mas uma vez só ilusão. Fez um reinado ridículo e voltou a cair num poço sme fim, tanto que é agora será Manager de um comentarista nuam luta de WM, onde ele podera muito bem estar num lugar muito maior!

    Éh, é isso… É a hora de botar essee novos caras no topo. O futuro são eles, e se não agilizassem tudo isso logo agora, quando é que iriam? Agora é esperar passar o tempo e ver do que esses caras são realmente capazes!

    E mais uma vez, ótimo texto! 😀

  7. eu costumo dizer que um bom wrestler de pro-wrestling precisa saber mais falar do que lutar e você com o seu post confirma isso.

    As pessoas costumam dizer: “Lamentável que lutadores que posssuem talento para os movimentos dos golpes e desenvoltura no ringue sejam mal aproveitados.”

    Discordo totalmente. Oportunidade foi dada à eles, já o aproveitamento foi medíocre. Isso não acontece só no pro-wrestling. Se você se candidata á uma vaga e não dá conta do recado, azar o seu porque daremos o lugar pra quem consiga.

    A regra é simples, saiba falar e lutar, nesta ordem. Se não souber falar, você pode trabalhar ainda com pro-wrestling treinando outros superstars ou qualquer coisa.

    Não sou eu dizendo, isso sim são fatos comprovados com mais de 40 anos do esporte e ainda tem esse material do Jack pra comprovar.

    Parabéns pela qualidade Jack

    • Concordo que, até posso dizer infelizmente, o que vale mais é a mic-skill, mas não concordo na parte “As pessoas costumam dizer: “Lamentável que lutadores que posssuem talento para os movimentos dos golpes e desenvoltura no ringue sejam mal aproveitados.”

      Discordo totalmente. Oportunidade foi dada à eles, já o aproveitamento foi medíocre”

      Peguemos o caso do Morrison: o cara manda DEMAIS no ringue, tá destruindo de um jeito que não víamos a muito, mas muito tempo e tem uma qualdiade de micro boa, o problema é adaptar essa qualidade a um personagem face. Ai ele recebeu uma chance ao WWE title. Ok, foi usada de forma ridícula num Raw qualquer, e ai? E ai que o futuro, segundo o previsto, é ele lutar numa 8 man tag match, ou 6 man tag match sem importância alguma no WM, e que serve pra encher liguiça. Agora diga-me: a culpa dessa porcaria acontecer é dele, ou dos diretores e bookers que aparentemente não querem que ele se dê bem no Main event?

      E ao mesmo tempo que isso ocorre, vemos caras, como o Drew McIntyre, receberem uma chance, e falharem, duas, e falharem, três e falharem, e continuar recebendo chances, isso tudo MESMO sem o cara ter um histórico bom pra justificar isso.

      O problema real da WWE é usarem “dois pesos e duas medidas”.

      • Aí eu concordo contigo a WWE usa dois pesos e duas medidas.

        Eu pego o caso do Swagger que quando se tornou campeão começou a ter um heat fenomenal, mal dava pra ouvi-lo, foi um reinado muito interessante, e um potencial hell main eventer, vai apenas estar no corner de Michael Cole no Wrestlemania e provavelmente levar um stunner do Stone Cold.

        Agora o Miz, tá tendo um reinado secundário, pois as principais feuds do raw não são centradas nele, e a maior esperança dele manter o cinturão no Wrestlemania é se o Rock interferir, aliás em todas as defesas de título do Miz alguém ou interferiu ou tentou. Mas ele manda muito no microfone e pelo que vejo em outros sites tá trabalhando muito pra wwe promovendo e essas coisas, mas que o heat dele não chega nem perto do heat que o Swagger disso eu tenho certeza.

  8. Gostei muito da participação do pessoal. Comentários bem completos, todo mundo manifestando seu parecer sobre o assunto. Muito bom.

    Fico feliz que o Ricardo tenha entendido também o que eu vinha tentando explicar em outras conversas, mas agora fiz de maneira mais estruturada.

    Obrigado pelos elogios pessoal 🙂 É muito bom ver vocês nesse ritmo todo.

  9. Ótimo trabalho!!!

    Bem,dos que você citou o, os que mereciam(na minha opinião)eram: Shelton Benjamin, Vladimir Kozlov e Brian Kendrick( tá, talvez não mereça tanto,pelo seu vicio, mas ele sabe lutar, e é bom no micro).Quem támbem merecia era o MVP! Acredito que o Cody consiga!

    Continue assim!

  10. Nossa, que apelo, como costumo dizer 😛

    Concordo em alguns aspectos. Que estão jogando lutadores rapido demais no ME, sem NENHUMA experiência (Sheamus, Drew, Barrett). Desses, a WWE, diferentemente de outrora, deu sorte, e dois deles tem um potencial imenso pra ser um futuro Main-eventer (Barrett e Sheamus). Vejo também que a WWE não largou definitivamente isso de ter uma experiênciia no mid-card, na sessão de tags e tal, pois fez exatamente isso com o Miz, e só não faz com o Morrison, porque os bookers são uns filhos da puta (me irritei :P). Além do Punk, que tinha experiência fora da WWE, veio pra WWE e teve momentos abaixo do ME antes de entrar definitiamente nele, apesar que ele é um caso a parte, pois parece que a WWE não confia nele pra colocá-lo num main event de WM, mas tudo bem…

    E o que dá mais “raiva” é que tem tantos ali que aparentemente merecem, mas não ganham UMA chance direito, ou pior, até ganham uma chance, mas sem nenhum motivo aparente, perdem essa chance, e ai, demoram mil anos pra levarem outra chance, ou saem da empresa.

    Algo que percebi com esse texto, é que das novas estrelas do ME, tá difícil arranjar um face, um BOM face então… Pensem só: Sheamus: heel. Drew: heel, e tão tentando fazê-lo face, mas está ridículo o face turn dele. Barrett: heel. Miz: heel. AI tem o Morrison, que é face, mas que pro personagem dele, é melhor ser heel!

    É, isso de Main-eventer é difícil, não são todos como o Taker, que com menos de um ano de empresa levou o WWE title, e que segurou e MUITO BEM o rojão de ser main-eventer. É esperar e ver o futuro, mas acredito que alguns nomes que a WWE “pushou” pro ME, podem segurar a empresa no futuro, o problema é que faltam as lendas pra elevarem ele, como você mesmo disse que fizeram antes.

    Belo texto, nos leva a refletir e muito sobre isso! Só acho que devemos viver o presente com os olhos atentos e MUITO bem abertos, pois a história está sendo feita agora, mas “A” história pode estar sendo feita, e nós, por preguiça, falta de interesse, ou burrice, estamos perdendo. Garanto que daqui a 5 anos, lembraremos de HBK e Taker, e o que eu falarei? “eu estava lá, ao vivo, vendo”. Lembraremos do retorno, pelo jeito definitivo, do Rock, e o que falarei “é, eu estava lá, vi ao vivo” E possivelmente falaremos “Del Rio é uma grande lenda” E o que falarei? “É, eu estava lá, e vi o começo de tudo”. Então vejamos tudo, e com olhos OTIMISTAS E ATENTOS!

    • Só um adendo: O primeiro título do Taker durou menos de uma semana. Na verdade a feud era entre Ric Flair e Hulk Hogan (c), daí o Ric Flair interferiu no combate fazendo do Undertaker o campeão. Isso, acho, num domingo. Terça feira o título voltou para o Hulk Hogan.

      Taker demorou um pouco mais pra ser main-eventer.

  11. Ótimo texto Jack,e também concordo que os main-eventers de hoje estão cada vez mais ”crus”,consequencia das storylines cada vez piores da WWE,esquecimento da divisão tag,mid-carder e essa PG era que fudeu a WWE(ou seja,ta tudo uma merda :D)
    Bom,eu penso que para ser um main-eventer,o cara precisa ter uma história,uma jornada,e não simplesmente bota uma sunguinha,fazer 2 lutinhas e no dia seguinte ser campeão mundial.Por exemplo,o própio Cena,ele veio como um heel lutando por titulos médios,titulo americano e tendo feuds intermediárias,se destacava no microfone e chamava muita atenção dos fãs(no caso como heel) por isso teve uma oportunidade pelo titulo mundial,mas não foi do dia pra noite,ele demoro se não me engano mais de dois anos até brigar pelo cinturão da WWE.Ou seja,o ponto fundamental além do talento e carisma,para se tornar um grande main-eventer,é a história feita pelo lutador,storylines,feuds,grandes lutas até chegar a consagração e estar entre os grandes nomes da empresa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s