Why so wrestling? #5 – La esencia de la excelencia

Meu nome? Meu nome é Ricardooooo Silveiraaaaa! Mas você já sabe disto! Trago ao palco nesta quinta edição do Why so Wrestling a Lucha Libre como um todo, desde sua história, a formação dos grandes nomes, e inclusive a situação em que se encontra atualmente. Confira mais na continuação do post, e deixe seu comentário!

https://getreadytorumble.files.wordpress.com/2012/01/sem-tc3adtulo-21.jpg?w=640&h=256

Desde a leitura do texto “A Redescoberta da America Latina”, a temática Lucha Libre tem despertado o meu interesse. Embora o wrestling mexicano não seja muito popular “blogosfericamente falando”, o telecatch praticado no México tem a sua importância para o mundo, pois é de lá que surgiram grandes famílias como a Guerrero, a Rodriguez, e é claro, a família Santo (enquanto na Itália temos a Corleone, nos Estados Unidos a Adams, e no Brasil nós temos a Restart). A indústria mexicana sempre revelou e sempre revelará grandes nomes ao mundo, porém esta fábrica está se encaminhando à beira de um colapso, e em respeito a memória de nomes como El Santo, Gory Guerrero, Mil Mascaras e Blue Demon, alguma coisa deve ser feita.

Lembro-me de quando passava o desenho “Mucha Lucha” no SBT, os quatro inseparáveis amigos El Rey, Rikochet, El Pulga e a Buena Nina, assim como também na Globo tinha El Touro no desenho do Jackie Chan. Naquela época eu nunca viria a imaginar que um dia teria dois autógrafos de superstars da WWE (desculpa), nem que estaria envolvido tão diretamente com tantos fãs desse estilo de entretenimento. Sendo esse o primeiro forte contato que tive com o wrestling propriamente dito, sempre despertei um gosto e respeito especial pela lucha libre. Infelizmente a disponibilidade de shows mexicanos não é das melhores, e pouco se comenta a respeito, entretanto todos reconhecem que o México é uma escola riquíssima em talentos, estando sempre recheado de superstars. Logo, nada mais justo do que trazer a tona um pouco da história das lendas mexicanas  que quase nunca são citadas nos TOP 10 Greatest Wrestlers All Time que encontramos por aí…

Tudo começou na década de 30, com a Guerra Civil Espanhola. Por mais irônico que pareça, um homem chamado Salvador Lutteroth esteve no Texas e se encantou pelo professional wrestling, então este visionário resolveu trazer alguns lutadores americanos para o México e Espanha, assim seguindo ele criou ligas na Espanha, e a EMLL (Empresa Mexicana de Lucha Libre). Por razões geopolíticas, o México foi o grande beneficiado na história, por dois motivos: A proximidade com os Estados Unidos favorecera o intercâmbio entre wrestlers, e a Guerra Civil Espanhola se sucedia exatamente neste período, espantando os wrestlers e assim acabando com as ligas espanholas de lucha libre. O tempo passou, o público aderiu a novidade e a luta livre virou paixão nacional. Anos depois a EMLL virou a CMLL (Conselho Mundial de Luta Livre), e em 1992 Antonio Peña desmembrou-se da CMLL e fundou a AAA (Assistência Acessoria e Administração, criatividade a todo vapor). Apesar da crescente paixão nacional pela lucha libre, foi apenas na década de 50 que as lendas ganharam novas proporções, os grandes heróis mexicanos, e são eles:

El Santo

Nascido em 1917 e atendendo pelo nome de Rodolfo Guzman Huerta, El Santo possui origem humilde e  iniciou no ramo da lucha libre com seus irmãos. Começou na recém-formada EMLL formando tag team com seu irmão Miguel. Sendo a sombra da dupla, ele optou por seguir carreira solo, e não demorou muito tempo e encarou um problema judicial. Rodolfo adotou a personagem de El Hombre Rojo, porém ela era uma cópia de El Murcielago Enmascarado, que o processou e forçou-lhe a descaracterizar-se. O promotor de Rodolfo conseguiu a permissão para uma nova personagem, e fazendo uma referência ao processo judicial ela viria a se chamar El Santo.

O herói mexicano começara a surgir em 1942, estreando em uma Battle Royal. Agindo como um rudo (malvado),  El Santo teve uma breve ascensão com rivalidades contra lutadores conhecidos, alcançando inclusive o título nacional de peso meio-médio. Tempos depois derrotou Murcieaglo não-mais mascarado Velazquez, um pouco de irônico isto.

El Santo sofrera um acidente de carro que deixou-lhe entre a vida e a morte, porém ele foi guerreiro e no caminho de volta aos ringues conheceu Gory Guerrero, tornando-se grandes amigos. Juntos formaram a primeira e rápida versão da dupla que viria fazer história no  México, La Pareja Atomica! Neste primeiro período ela não durou muito, El Santo logo em seguida caminhou na busca pelo título mundial e teve o seu face turn, virando um técnico. Paralelamente Gory também transformou-se em técnico, e um tempo depois La Pareja Atômica estava formada novamente e tiveram a épica rivalidade contra Los Hermanos Shadow, que nada mais eram do que Black Shadow e o futuro eterno rival de El Santo, Blue Demon.

Na década de 50 a história dos ídolos da Lucha Libre mudou drasticamente, pois foi em 1952 que a Lucha Libre começou a ser televisionada. Se El Santo era um ídolo de um terço da nação, agora seria de mais da metade.  Outra parte pode atribuir-se as histórias em quadrinhos que traziam El Santo como herói nacional. Entretanto nesta mesma época surgiu um livro contando o passado de El Santo, citando inclusive do seu período como rudo. Graças a isto a popularidade do ídolo mexicano ficara um pouco abalada, mas também surgira uma nova oportunidade para ele: o ramo do cinema. De começo ele relutou, porém ao ver qual seria o dinheiro que ficaria no seu bolso ele topou e ao todo fez mais de 50 filmes. Embora não fossem de grande qualidade cinematográfica, eram de muito apelo popular e popularizando El Santo ainda mais.

Os anos se passaram, e já com 64 anos de idade El Santo declarou sua aposentadoria, encerrando com  uma  turnê junto de grandes nomes da época, e realizando o último combate com seu grande amigo Gory Guerrero. Um mês após a aposentadoria, Hijo del Santo entrou no ramo da lucha libre com a ajuda de seu pai. El Santo viera a morrer 2 anos depois, vítima de um ataque cardíaco. Para seu enterro preparou-se uma super produção, custando dez mil dólares, embora o apetrecho mais valioso tenha sido a sua máscara de prata, que fora enterrada junto dele. Não há registros do rosto de El Santo, embora ele já tenha feito uma aparição sem sua máscara.

Gory Guerrero

Assim como a lenda El Santo, Gory nasceu pobre. Filho de hispano-americanos, sua mãe morreu quando ainda era muito jovem, então Gory viu-se obrigado a seguir sua vida no México, onde teve pequenos trabalhos e começou a treinar boxe – seu sonho – gratuitamente. No momento em que iria assinar o seu contrato para a primeira luta de boxe ele assistiu um treino de lucha libre. A lucha estava em seu sangue e o Primeiro Guerrero decidiu adentrar no ramo da lucha libre. E com 2 semanas de treino ele realizara sua primeira luta, aos 16 anos de idade, Gory lucrou 15 centavos em seu primeiro combate. Apesar do pouco tempo de treino, ele impressionou o público com seu físico (E=mc²), então fora convidado a treinar por grandes nomes da época. Gory também treinou wrestling amador, e em 1943 entrou para a EMLL, onde expôs ao México todo seu talento e fez um sucesso meteórico, ganhando inclusive o título de rookie do ano, assim como o cinturão nacional de pesos meio-médios, mas o perdeu 5 dias depois por causa do seu peso… Saudades da época em que realmente havia divisão por pesos no wrestling.

Gory prosseguiu fazendo história, vencendo adversários e mais adversários, e realizando a primeira e duradoura rivalidade sangrenta na história do professional wrestling. Quando esteve livre novamente, conheceu El Santo e formaram a gloriosa dupla, mas como já foi citado, ela não durou muito, pois assim como El Santo, Gory seguiu a busca por títulos, conquistando o seu primeiro título mundial em 46 após vencer Bobby Bonales em uma luta histórica de uma hora e cinquenta minutos de duração.

Diferentemente dos outros nomes mexicanos, Gory Guerrero não fez sucesso com cinema e seguiu sua carreira no ringue, onde fez história! Nos anos 60 Gory abandonou a EMLL e iniciou projetos pessoais, assim como muitos estavam fazendo na época. Gory virou promotor de eventos de lucha libre, treinava muitos lutadores e familiares, dentre eles pode-se citar Chavo Guerrero Sr. Gory deixou seu legado para o mundo com golpes como o camel clutch e o hanging backbreaker submission hold. Esta lenda aposentou-se nos anos 80, e morreu em 1990.

Blue Demon

Novamente, essa lenda mexicana também veio de origem humilde, sendo filho de agricultor e o quinto de doze crianças (Blue Demon Futebol Clube). Mas diferentemente dos nomes já citados, Demon começou sua carreira nos Estados Unidos, mais precisamente na cidade de Monterrey. Demon esteve trabalhando na ferrovia, e foi lá onde conheceu um famoso lutador chamado Rolando Vera, que ofereceu-se como tutor de Blue Demon. Sua personagem de Blue Demon fora criada ao retornar ao México, agindo como um rudo e estreando em Setembro de 48.

Não tendo sido citado anteriormente, Blue Demon teve aquela que é tida como a maior rivalidade da história da lucha libre, a eterna briga contra El Santo. Tudo começara a partir da intriga entre Los Hermanos Shadow e La Pareja Atômica. Enquanto Gory Guerrero e Shadow seguiram caminhos diferentes, El Santo e Blue Demon viram-se obrigados a prosseguir lutando.  Durante esse período em que estremeceram arenas, ele e El Santo conheceram o homem que viria a mudar suas vidas para sempre (Clodovil?), Enrique Vergara.

Enrique era um produtor e trouxe consigo a revolução cinematográfica mexicana, ao todo Vergara produziu mais de 50 filmes, estrelando luchadores mascarados em praticamente todas as suas películas. Vergara trabalhou basicamente com filmes B (de produção barata), envolvendo ação, terror e ficção científica. Blue Demon fora convidado a fazer parte de um dos projetos de Vergara e em pouco tempo tornou-se uma de suas estrelas, ao lado de ninguém mais, ninguém menos do que El Santo. Junto de El Santo, Blue Demon participou de 9 produções, e ao todo filmou mais de 25.

Uma curiosidade a se salientar é que mesmo tendo trabalhado tão ativamente com El Santo, eles dois nunca foram muito amigos, apenas colegas de trabalho. Blue Demon também promoveu eventos independentes, treinou atletas, deixou o seu nome na Lucha Libre. Aposentou-se em 1988, lutando com seu filho – que hoje possui carreira própria. Blue Demon morreu em Dezembro de 2000, por ataque cardíaco, semelhantemente a El Santo e Gory Guerrero (Death Note?)

Mil Mascaras

O tio de La essencia de la excelencia, Alberto Del Rio. Na blogosfera ele já foi um “meme”, principalmente ao citar-se que ele é o tio do lutador Dos Caras Jr. e Sicodelico Jr., com quem a WWE assinou um contrato em 2008. A história do luchador Mil Máscaras   possui duas versões, entretanto ambas apontam para um denominador comum: Mil Máscaras tornou-se um superstar da noite para o dia. Sua base de combate vem da primeira arte macial que praticara, o judô, fornecendo-lhe um bom jogo de reversões. Ao adentrar no ramo da Lucha Libre, Mil Máscaras também seguiu no ramo dos filmes interpretando um personagem destinado aos ringues.

Sendo assim, Mil Máscaras pôde desenvolver nas telonas a sua personalidade luchadora, enquanto no ringue entretinha os fãs. Com isto tornou-se famoso em pouco tempo, pois o destino… O destino sempre brilhou para a esta família. Blue Demon havia se lesionado e El Santo não renovara o contrato, então Enrique Vergara, novamente ele, resolveu dar a Mil Máscaras a chance de estrelar uma de suas produções. O resultado fora satisfatório e Mil Máscaras seguiu com mais outros dois filmes.

A carreira de Mil Máscaras pode ser resumida por uma declaração feita por Satoru Sayama, o primeiro Tiger Mask: “Se não fosse por Mil Mascaras, não teria nenhum Jushin Liger, nem Ultimo Dragon, ou Great Sasake hoje…” Assim como se não fosse por El Santo, Blue Demon e Gory Guerrero, não teria nenhum Mil Máscaras. Este grande nome mexicano que adentrou nessa indústria em 64 era fã de El Santo e foi felizardo em poder lutar com seu ídolo. Seu primeiro título chegou em 67, e dali por diante Mil Máscaras fez seu nome ao redor do mundo.

O homem das mil submissões (como também era conhecido), fez inúmeras turnês no Japão e nos Estados Unidos, tornando-se um drawl em qualquer companhia onde fizesse uma exibição. O seu histórico traz combates e rivalidades com lendas, inclusive Lou (lol) Thesz. Mil Máscaras produziu inúmeros filmes e atualmente se encontra em estado de semi-aposentadoria. Ele, junto de seu irmão Dos Caras, treinou membros de sua família assim como alguns luchadores pelo país. Por enquanto está vivo, mas seguindo o rumo das lendas mexicanas em breve morrerá por ataque cardíaco…

As lendas sempre existiram e sempre existirão, entretanto o México atualmente passa por uma fase crítica e está perto de uma crise. O motivo disto é muito óbvio, desde a década de 90 os Estados Unidos têm se apossado das estrelas mexicanas. Naquela época nomes como Juventud Guerrera, Eddie Guerrero, Rey Mysterio, Ultimo Dragon e Chris Jericho reforçaram a divisão cruiserweight da WCW, entretanto isto contribuiu para de certa forma enfraquecer o mercado mexicano, entretanto essa escola sempre revelou grandes nomes e foi capaz de suprir esta falta.

Porém atualmente, depois do período de caça as jóias mexicanas, a WWE resolveu expandir seu produto para o país vizinho, e as primeiras consequencias podem ser observadas. Para atrair o público, a WWE contratou nomes como Alberto Del Rio, Hunico e Sin Cara, restando poucos ídolos nacionais (Negro Casas, El Hijo Del santo, Mascara Dorada, e só, creio eu, embora apenas El Hijo Del Santo chegue perto do que Místico representava). Sem contar a importância exercida por Rey Mysterio, os shows da companhia americana têm obtido ratings extremamente superiores aos ratings da CMLL e AAA juntas.

Em resposta, recentemente surgiu a notícia de que a CMLL e a AAA possam unir-se para combater a gigante americana, que entrou no país e está acabando com as empresas de origem. Com esse impasse, chegamos a uma questão que aparentemente está em um perfeito nó cego. Se as duas grandes potências unirem-se para combater a WWE, estaria assim a lucha libre mexicana forte o bastante para sobreviver a esta ameaça? A WWE possui três grandes nomes capazes de lotar qualquer arena mexicana para uma simples triple trheat. Realmente unirem-se resolverá o problema?

Particulamente, e como fã do wrestling mexicano eu não acredito que a união seja a solução para o problema, acredito que a incógnita more exatamente no âmago do público mexicano, pois muitos perderam o valor pela máscara. A tradição não tem sido levada a sério, atualmente o desejo de ter seu rosto estampado tem tomado conta cada vez mais e mais, afinal de contas a vida de um luchador mascarado não é fácil, pois deve-se manter sua identidade preservada em qualquer circunstância. O produto americano veio com tudo, se não houver uma preservação dos valores históricos, em 20 anos o México pode acabar vivenciando o mesmo que o Brasil vivencia hoje, com a única diferença: Pelo menos lá eles tentaram se unir para fazer alguma coisa…

Obs.: A máscara significa mais do que o acessório utilizado pelo wrestler, ela representa os princípios e valores da lucha libre.
Obs2.: Chris Jericho fez inumero sucesso no México, fora contratado pela ECW, porém o chamariz para a contratação pela WCW foi graças ao que Jericho fez no México, e não na ECW.

Anúncios

35 comentários em “Why so wrestling? #5 – La esencia de la excelencia

  1. Bom, eu já li, mas não prestando tanta atenção… Amanhã acho que da pra fazer um Comment digno (A lá eu mesmo)! 🙂

    E CALADO CORBARI! 😛

  2. Eu particularmente não gosto do estilo dos mexicanos, ou seja, High Flyers, mas isso não quer dizer que é uma regra os lutadores mexicanos serem Flyers, e isso me agrada muito, pois além da escola mexicana ser ótima quanto aos Flyers, acaba sendo eficiente também quamto aos não flyers, como o Del Rio, que não é um cara leve e sim muito técnico, e é exatamente o estilo de lutadores que me agrada e creio que não só a min mas também a muitos dos fãs de wrestling.Agora, sobre a lucha libre mexicana acontecer o mesmo que aconteceu com o brasil, eu discordo, pois mesmo a luta livre brasileira tendo sua época de ouro com Ted Boy Marino, Fantomas e talz, nunca foi uma grande potência e nunca foi também uma paixão nacional como é no méxico, acredito eu que a lucha libre vai ficar exatamente do geito que tá, revelando grandes lutadores como Del Rio e Dos Caras mas acho também que não cresce mais do que isso.

    • Luta Livre no Brasil passava na Globo cara… Quem tava nos anos 80 não entenderia como a luta livre brasileira poderia ficar do jeito que está hoje, entnede?

      • Nos anos 80? Há!

        A Luta Livre passava na Globo nos anos 60! Essa que foi a era de ouro da LLN. Uma época onde os três heróis do esporte eram Pelé, Eder Jofre e Ted Boy Marino!

        E a LL no México é religião. Ela possui um estilo bem comico/circense que se assemelha ao Brasil.

        A comunidade hispânica nos EUA é absurdamente grande. Por isso, apostar nesses lutadores é acertar no méxico e nos EUA ao mesmo tempo.

        • Eu não disse que passava na globo nos anos 80, só que QUEM ESTEVE nos anos 80 não imaginaria como a luta livre no Brasil chegaria ao estado que está hoje! 😉

          A Lucha Libre pode ser até como uma religião por lá, mas religiões podem perder força ao passar do tempo.

  3. Legal o texto, bom trazer a história de lutadores mexicanos que pouca gente conhece a história.

    El Santo é um Deus pra eles. Assisti combates dele, principalmente um contra Carlos Colon. Bah, estádio lotado, parecia que era final da Copa de 70.
    E creio que após o Hijo del Santo não conseguir mais subir em um ringue, se filho continuará com a dinastia.

    Acho interessante essa união entre as federações mexicanas. Estão se unindo para manter a tradição mexicana forte… Místico era um verdadeiro ídolo para eles, perder para a WWE, empresa americana, não deve ter sido fácil.
    Abs.

    • Esse combate que o Corbari citou, na verdade é em dupla com o Carlos Colon, e é cena de um filme: La Noche de San Juan. Mas ainda assim isto não tira os méritos da performance no ringue, para quem se interessou aqui vai o link: http://www.youtube.com/watch?v=TNk9wBZZ-Fk

      Nos relacionados também tem o link de quando El Santo removeu a máscara, porém crê-se que seja fake: http://www.youtube.com/watch?v=l6dZHtIDcsE&feature=related

      Quanto ao Hijo del Santo, é bem dessa, el Nieto del Santo… Aliás, no México tem lá El Hijo de Rey Misterio.

      O Místico ao sair do México, saiu como um rudo, porém não muito “rudo”, e aliás foi esse o motivo que o forçou a sair do México, ele queria continuar como técnico. Mas sem dúvida alguma, ainda era ídolo, e continua sendo, prova disso é a conferência de imprensa que teve….

      Abs

      • Sendo fake ou não, pelos coments do vídeo dele supostamente tirando a máscara, dá pra ver o quão importante é a máscara lá, não só um adereço, e o quão ruim, vergonhoso e revoltante é a retirada da mesma.

  4. Bem legal, um tema pouquíssimo falado na blogosfera, como você mesmo disse, mas que tem papel fundamental na história do wrestling num geral.

    Apesar de longo o texto, não ficou tão cansativo, já que as “biografias” foram curtas, mas bem informativas. Admito que não conhecia nenhum cara daí, claro, de nome sim, mas não sei mais nada deles.

    Incrível o tanto de informação disponível, mesmo a maioria daí tendo lutado na década de 40, 50. Sorte nossa, que podemos conhecer mais um pedacinho desse imenso mundo da luta-livre.

    E sorte nossa tamém eles terem deixado próximas gerações e substitutos pra gente, como o Chavo, o Eddie um tempo atrás, o Del Rio… OBRIGADO 😀

    Muito bom Ricardo, gostei do tema e de como foi desenvolvido!

    • Realmente Gustavo, pouquissimo falado, e ainda assim se for ver por aí tem umas centenas de fãs de Rey Mysterio, novos fãs de Alberto Del Rio, mas são tudo WWE Made, que não têm um pingo de boa vontade de conhecer novos produtos além da WWE.

      O grande pacote de informações deve-se prioritariamente aos filmes que protagonizaram, afinal de contas muita da história deles ficou contada nos filmes. O resto nós temos aí lutas antigas soltas em Youtube, Dailymotion, DVDs especiais… Enfim né hehehehehe

      Abs

  5. Rookie Tommy aqui/

    Então, li e gostei bastante do testo, aborta um assunto pouco falado atualmente, ou melhor, de um tipo de luta.
    Deveria ter mais textos como esse, atualmente só se falam em WWE/TNA, isso chega a ficar cansativo.
    Fora o acesso a downloads e tudo mais…

    ótimo texto ;D

  6. Relendo seu texto com mais atenção….
    Bah, tu entrou no espírito de Stand Up mesmo hein? Altas piadinhas, hehe.

    “…ele impressionou o público com seu físico (E=mc²)”
    “…conheceram o homem que viria a mudar suas vidas para sempre (Clodovil?), Enrique Vergara.”

    Enfim, já da pra fazer par com Serginho Malandro e montar um espetáculo, pois essas tiradas estão sensacionais… OôÔÔÔÔÔ se estão!

    😛

    • Tiverma várias outras

      (enquanto na Itália temos a Corleone, nos Estados Unidos a Adams, e no Brasil nós temos a Restart).
      e o quinto de doze crianças (Blue Demon Futebol Clube).
      Blue Demon morreu em Dezembro de 2000, por ataque cardíaco, semelhantemente a El Santo e Gory Guerrero (Death Note?)
      inclusive Lou (lol) Thesz.
      Por enquanto está vivo, mas seguindo o rumo das lendas mexicanas em breve morrerá por ataque cardíaco…

      Pena que a galera não percebeu =P

  7. Tema pouco falado na blogosfera e bem abordado… a lucha libre mexicana e a brasileira tiveram bastante semlhanças no começo, lutadores fazendo filmes (No Brasil acho q só o Ted Boy hehe) e uma tradição fortissíma…

    Pena que, no Brasil a decadência foi meteórica enquanto no México eles conseguiram se manter por mais tempo e só agora se veem ameaçados pelo império WWE hehe

    • Michel Serdan também participou de filmes, mas já foi nos anos 2000. Enfim, espero que o México mantenha a misticidade de la lucha libre. abs

  8. Muito bom texto, Ricardo. Tu conseguiu unir os elementos de um texto sério com uma pitada de humor, da mais fluência ao texto.

    Ah, a lucha-libre é a parte mais espetacular desse coisa chamada wrestling, os vôos, a arte, a cultura das máscaras, lutadores degladiando-se pela honra sobre o tecido sobre sua face.

    Não acompanho lucha-libre, não por falta de vontade, mas de tempo, pouco posso assistir ROH, porém sempre dou uma olhada nos cards e resultados, e tenho favoritado no meu navegador o Superluchas,o maior site de lucha do mundo.

    Gostei do jeito que você abordou os grandes ídolos do passado, mas dava para você encaixar no texto alguns lutadores do presente, como Místico, El Messias, Dr. Wagner Jr, La Parka e L.A Park e até mesmo nosso representante tupiniquem na terra dos tacos, o guerreiro brasileiro Zumbi.

    Porém, a lucha está perdendo sua forças, no México os ratings da WWE chegam a passar de 8, sendo que nos E.U.A a média é 2 ou 3, enquanto as federações de lucha que são televisionadas, apresentam ratings mais baixos.

    Muitos lutadores íanques se arriscaram no México, como o Teddy Hart, Jack Evans e Hernandez.

    Resumindo, excelente texto!

    Bear Hugs õ/ Volta Flavinha

    • Desde quando, Super luchas é o maior site de Lucha Libre?

      Só cobre Lucha libre quando a FEDERAÇÃO paga pra se divulgada!

      Vai pro miluchalibre velow… bem melhor!

      • O Super Luchas é um site-empresa, compreensível, porém consegue reportagens e coberturas show de bola. O Mi Lucha Libre não conheço, e aliás, o Super Luchas é muito conhecido, isto conta muito.

    • Po Tiago, se eu fosse abordar cada grande ídolo isso aqui viraria uma monografia hehehe

      Quem sabe, num futuro, um TOP 10 (ou 20) de lendas mexicanas? Mas isso irá exigir mais tempo, até mesmo para me situar melhor, pois tem muita lenda naquele país, hehehehe

      Valeu, abs!

  9. Pô… fica até chato assim… o Blog ta muito bom! Corba Postando (E como sempre, post de excelência máxima), Gustavo escrevendo Muito Bem (Não fica se achando não fresco!), Modesti fazendo sua estréia de maneira espetacular, Jack voltando de maneira fenomenal, raposa sempre que escreve escrevendo grandes textos,Xnadão nem se fala… e Ricardo… é.. Ricardo… Ah, o Ricardo é um Vampirinho que tá escrevendo muito!

    É… Para a alegria da galera, o GRTR ta voltando aos velhos tempos!

    • hehehehe, boa MadinZoni =P hueheuheuheu

      Blog está de volta ao topo das paradas, pra justificar e reter o cinturão de melhor blog do ano. HEHE

      Abs

  10. Primeiramente, eu disse que ia voltar… E aqui estou em mais um comment, assim como Taker em WMs! 😛

    Segundamente (?), parabéns pelo texto Criador (Ou agora seria Ricardo, Ricardo Silveira, Ricardo Criador?). Isso é muita informação pra um cara só xD

    Bom, não conheço absolutamente nada da Lucha Libre… Lutadores, história, Lendas, NADA, apenas por nome mesmo… E ai está seu texto que pelo menos me deu umas ajudas básicas de entender pelo menos um pouco sobre Lendas…

    É difícil ver a situação que se encontra hoje. Mesmo eu nem sabendo como, mas a diferença dessas Lendas que acho que são quase Deuses para os mexicanos, em relação à geração atual, é imensa, ainda mais com a WWE começando à retirar esses caras para se focarem no Wrestling americano!

    Outro ponto, é que para eles, retirar a sua tão preciosa máscara, é perder totalmente sua dignidade, e imagina como deve ser pra esses lutadores, conseguirem manter sua identidade em segredo?? É isso que influe muito nessa decadência, já que estão cada vez mais não ligando muito por isso!

    Mais uma vez Ricardo, ótimo texto, e uam ótima “biografia” das Lendas mexicanas ai… Muito boa mesmo!

    E fala agora que eu não volto… 😀

    • Ele não volta… hehehehehe

      Enfim, é isso mesmo, po, Negro Casas não tinha que tirar a máscara dele, mas já que tirou, tá tirado… Aí agora, se vc for pegar, o numero de luchadores desmascarados está cada vez maior, é um ultraje comparado a antigamente.

      E é claro, comparar as lendas antigas com os grandes nomes atuais é a mesma coisa que comparar Ric Flair com John Morrison…

      Abs

  11. Muito bom texto, Ricardo. Realmente vc tem razão: existe pouco material sobre luta livre mexicana de qualidade na internet e pra quem quer conhecer o pro wrestling um pouquinho mais a fundo, é vital que se conheça essa vertente do esporte, pois a partir dela que muitos astros surgiram e ainda possuem suas raízes por lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s