Why so wrestling? #8 – Dossiê blogosfera 2.0, parte II: Aconteceu outra vez

Após um tempo sumido retorno com a segunda parte do Dossiê Blogosfera. Muito provavelmente mais polêmico do que o primeiro, mais ácido, mais fervente… Mais realista, assim como “A Serbian Film”. A verdade nua e crua sobre o que acontece na nossa blogosfera nas 1500 palavras a seguir, acompanhe.

https://getreadytorumble.files.wordpress.com/2012/01/sem-tc3adtulo-21.jpg?w=640&h=256

Atualmente o Get Ready To Rumble se encontra em um marasmo com uma semana praticamente sem artigos, e em especial a minha ausência que já pode ser notada há mais de 2 semanas, e falando em ausências incluem-se também a de inúmeros membros que sumiram ao poucos sobrando então apenas alguns membros ativos, logo vem a pergunta: afinal de contas onde está todo mundo? Overtime está devendo um pay-per-view da WWE e outro da TNA, Cinco Rounds não mencionou as participações de Vitor Belfort no UFC 133 nem de Charles do Bronx no UFC On Versus, contudo “Recordar é Viver”, “Dead House”, “Game Analysis”, “Na Teia do Aranha”, “Covil do Raposa”, entre outras colunas encontram-se obsoletas, por quê? O caso não é exclusividade do GRTR, acessei alguns blogs (como WrestlInformativo, Extreme Live Wrestling, Inside The Wrestling, Virtude Wrestling, e Living Wrestling) e o que me deparei foi deveras previsível: marasmo. Agora, obviamente, muitos – e provavelmente os próprios blogueiros dos respectivos blogs – devem estar questionando o que eu cito, porém o marasmo vai em relação a parte criativa: artigos.

Escrever um texto não é tão simples como parece. Apesar de digitarmos praticamente um livro por semana apenas nas conversas de bate-papo, apesar de termos fortes opiniões e desejarmos compartilhá-las com os demais, repassar o segundo pelo primeiro não é fácil, isto é, se você deseja realmente ser levado a sério e ter sua opinião considerada pelo leitor. Ao produzir um artigo o blogueiro deve pensar em uma série de itens, tais como a originalidade dele, a relevância que ele trará ao leitor, o que se discutir, e como promovê-lo, sim, promovê-lo. A promoção engloba o “marketing” de um banner, título e chamada inicial, mas também engloba cativar o leitor a ler do começo ao fim e se interessar por ler na próxima semana a sua coluna. O blogueiro que não segue o procedimento acima sofre as devidas conseqüências tais como baixo feedback – ou quase nulo –, torna-se irrelevante blogosfericamente falando, e não é levado muito a sério. Por outro lado, o que segue, logo se desgasta. Então temos uma via dupla de percas e ganhos.

Muito provavelmente poucos se identificaram nos itens por mim citados, e infelizmente muitos dos atuais blogueiros não devem concordar com nada do que citei, e deve ter pensado (sic) “Ué, eu sempre fiz do meu jeito e está dando certo… Ele não sabe o que diz!” Vamos ver se eu não sei o que digo. Ao acessar os blogs citados no inicio do texto eu citei um marasmo, porém se acessarmos neste exato momento veremos uma chuva de postagens, sendo que 70% se resumem a notícias com títulos auto-explicativos, uns 20% de postagens irrelevantes tais como: card do Superstars, card da Raw, card disso, card daquilo… E então 10% de conteúdo opinativo ou fatual. Sendo que destes dez por cento uma boa parte é de qualidade duvidosa, porém este mérito já não é de minha jurisdição. Logo há de se observar uma coisa, a blogosfera não pode ser sustentada por notícias, se pudesse o blog Living Wrestling não teria acabado, assim como muitos outros mil, que foram pra…

Quando 1 em cada 15 postagens nos blogs de wrestling do Brasil é um artigo isto significa que a situação está crítica, muito crítica, e o fim pode estar próximo. Criar uma postagem informativa é fácil, e acreditem: muitos conseguem fazê-la da pior forma possível. Eu poderia citar inúmeros exemplos, porém me contento em apenas mencionar os constantes spoilers nos títulos das postagens… Mas se vocês discordam de mim, testem por si só, abram um blog de notícias de wrestling eu lhe dou a chave da mina: http://wrestlingattitude.com/index2.php, http://www.pwinsider.com, http://ewrestlingnews.com/, http://nodq.com/, http://www.wrestlingnewsworld.com/, pronto. Se você não sabe falar inglês aqui vai a solução: http://translate.google.com/#en|pt|, pronto. Qual a dificuldade nisto? Só uma: alta demanda de tempo livre. Porém se tu só estuda em um turno, e possui todo o resto livre, e a grande maioria dos visitantes também estuda no mesmo turno que você, por que se importar com este detalhe? Isso é um mero detalhe.

Obviamente os nossos colegas blogueiros pegam notícias de alguns outros sites, mas essas notícias são aquelas do tipo: “Aquele jobber daquela federação independente que tu nem assiste vai lutar num show que nem pra download vai estar disponível!”. Xeque mate. Mas não quero desmerecer os blogs, de jeito algum, é extremamente importante que hajam blogs com o intuito de informar nós, fãs brasileiros, o que tem ocorrido no mundo da luta livre. Embora muitos blogs cometam uns excessos, é perdoável. Porém o X da questão aqui é que existem uma dezena de blogs, e todos eles possuem conteúdo extremamente similar, tornando-lhes genéricos em certo aspecto. Como não ser um blog genérico? Expondo material opinativo e que levante debate entre os leitores.

Porém criar um blog com este único intuito é algo arriscado, porque escrever um texto requer algo fundamental: vontade. Quando escrevemos pelo simples fato de desejarmos escrever o texto flui naturalmente, o leitor se satisfaz e todos os lados vencem. Entretanto quando a escrita passa a ser uma obrigação, independente do motivo, os dois lados perdem: o blogueiro ao não receber um bom feedback e começar a se desmotivar, e o leitor ao se desencantar um pouco com textos. Eu mesmo não estou escrevendo esse texto 100% por vontade, na verdade acho que uns 25% é vontade, outros 25% é a falta de vontade de fazer alguma outra coisa, e 50% é o sentimento de culpa por ter sumido sem dar as caras…

Estes 50% que sinto no momento são os responsáveis por 100% das ausências blogosféricas, o sentimento de culpa. É engraçado isto, como você pode se sentir culpado por não ter postado um texto no blog? Por que você deveria se sentir assim? Este tipo de sentimento é até compreensível para os blogs que lucram em cima das visitas como os blogs de humor atualmente, mas por que um blog de luta livre, que nada lucra em cima disto, deveria criar o sentimento de culpa no blogueiro?

O sentimento de culpa cria um ar de obrigatoriedade no ato de publicar artigos, e chega a uma certa idade em que o cidadão para e pensa “eu tenho inúmeras outras coisas para fazer, o blog está me prendendo, eu não vou lucrar nada com isto, nem financeiramente, nem emocionalmente, não mais.” Os blogs são, nada mais e nada menos do que um link emocional onde todos nós somos usuários dependentes, uma rede que tendenciaria a ser perfeita, se não fosse pela falha lógica do sistema: as coisas não funcionam como deveriam funcionar.

O próprio wrestling como arte cria esse tom de obrigatoriedade, ou você acha normal uma pessoa se aposentar daquilo que faz com menos de 10 anos de prática? Quem o segue, segue por apenas uma coisa: paixão. E quando eu falo paixão, estou falando de paixão louca, paixão burra, paixão insana. Eu não tenho essa paixão por wrestling, e poucos realmente a tem. Eu conheço apenas um cara que tenha essa paixão pela luta livre na blogosfera atualmente: Iran Santiago. Não citei o Portal da Luta Livre anteriormente propositalmente, dentre todos aqueles blogs nenhum possui um administrador que ame tanto a luta livre como este. Ele nasceu para trabalhar com isto, e você agora deve estar achando loucura, ele se lendo, emocionado.

O fato de ser apaixonado pela coisa não é bom nem ruim, é relativo. O Portal da Luta Livre é um site/blog que atualmente tem andado mal das pernas, sendo sustentado praticamente por blogs portugueses e com feedback mínimo, porém ainda assim é um daqueles blogs que eu te digo: só vai acabar no dia que o Iran Santiago perder a paixão pela luta livre. Enquanto este sentimento continuar o domínio http://www.portaldalutalivre.com.br continuará disponível. Eu disse que isso é relativo, e é sim. Marcos Amaral, outro cara que adora a luta livre teve desilusões com a arte e resolveu abandonar a blogosfera por um tempo… E olha que ele trabalha com isso. As desilusões dele entram no âmbito profissional, atravessam o blogosférico e atinge até o patamar ético. Na blogosfera podem haver inumeras desilusões, as mais recorrentes: discussões infantis, baixo feedback, alta pressão. Ninguém, NINGUÉM, é obrigado a lidar com esse tipo de situação, então…

Muitos de nós, inclusive dos membros do blog que sumiram ao longo do tempo adoramos luta livre, mas temos outras ocupações, uns trabalham, outros estão na faculdade, e outros: perderam a vontade (podendo ser por desilusões). Infelizmente ser blogueiro é tão legal como possui prazo de validade, uma hora o sujeito tem que medir sobre o que quer da vida: sustentar um blog ou seguir uma carreira profissional. Eu poderia citar mais exemplos aqui, como por exemplo o Jack, blogueiro por essência, mas que possui suas obrigações a cumprir, e se tiver que medir entre blog e seu emprego, por exemplo, a diferença será como uma pena e um elefante na balança. Já olhando pelo outro lado, Iran Santiago procura seguir carreira profissional com o blog e a luta livre. É possível? É. É difícil? Pra caralho. Vai conseguir? Não faço ideia. Eu apoio? Ao estar publicando um texto eu posso estar fortalecendo ou enfraquecendo a blogosfera, muitos enfraquecem, neste exato momento posso estar fazendo os dois, pois posso estar encorajando uns e desmotivando outros, mas estou fazendo minha obrigação. Eu tinha muito mais a dizer, porém minha obrigação se encerrará na parte III do dossiê, que farei quando me der vontade.

Termino aqui minha participação por hoje, e acho que deixo bem claro o motivo de ter sumido ao publicar esse texto, eu perdi a vontade de ser um blogueiro. Isto não significa que eu vá parar nem sair do blog, mas não contem mais com minha assiduidade. Muitos colegas também perderam essa vontade, a grande maioria que sumira está atolada com tarefas domésticas, profissional, acadêmica… E outros perderam a vontade. Alguns se enquadram nos três grupos, assumir responsabilidade de blog está fora de cogitação para estes alguns e conto com a compreensão de vocês. Atualmente me enquadro nos dois ultimos grupos, desculpa pela perca de vontade, é o máximo que tenho a dizer.

Anúncios

15 comentários em “Why so wrestling? #8 – Dossiê blogosfera 2.0, parte II: Aconteceu outra vez

  1. Um dos melhores textos que eu já li na minha vida Ricardo, parabéns mesmo.

    Nós, membros da blogosfera de wrestling, somos, a maioria, adolescentes (posso estar errado), e nunca temos nada para fazer nesse período de adolescência, então a gente pensa: Porque não participar ou fazer um blog?

    Aconteceu comigo. Eu, Modestinho, 15 anos, depois que gravei aquele podcast com você, Jack, Corbari, Gustavo e Aranha, simplesmente apareceu a vontade de fazer parte do blog que acompanhei por alguns anos, desde final de 2006, quando meu irmão se juntou ao blog, fiquei apaixonado por wrestling e desde então, segui os sites portal da luta livre e o GRTR. Em 2011, gravei o podcast com vocês e entrei para o NTR. Depois disso, estamos aqui, apesar de eu também não postar os últimos reviews por causa de estudos, tenho percebido a mesma coisa que você, o marasmo.

    Enfim, espero que continue o bom trabalho e os membros de todos os blogs que estão postando recentemente, continue assim para que a nossa blogosfera não se torne um marasmo total.

  2. Um dos maiores erros é achar que é obrigação postar em tal Blog, o que acho errado. Mas, se quis fazer isso, que pelo menos tente conseguir uma força pra postar de vez em quando, o que não é pecado algum.

    Estou de acordo com seu texto. A situação na Blogosfera não é mais a mesma. Se você fala algo certo, sempre vem o “noob” pra falar merda, o que dá nos nervos e dá vontade de abandonar de uma vez esse tal Post. Se você tenta opinar, e se está errado, todo mundo cai em cima de você. Quando você lê um texto e está digamos, “não tão bom” e você sabe, sempre vai ver aquela pessoa comentando “tá foda”, por quê? Apenas porque concorda!
    Não digo isso de qualquer um, mas sim de onde vem… Eu presencio muita, mais muita merda falada por ai. Visito tanto Blog, comento por pelo menos metade, respondo às vezes, e parece que é sempre a mesma coisa, infinita. Quando comenta, NINGUÉM percebe, mas quando fala uma coisa “absurda” pra outra, vem uma discussão que não para, e mesmo assim, você está certo, porém está errado pra tal, o que dá raiva.

    Eu mesmo, não sinto tanto prazer em postar, em relação quando comecei. Pra mim parecia fácil, ia pegar de boa, mas é muito diferente do que parece. Todos sabem que tive, tenho, e terei polêmicas nessa passagem de Blogosfera. Quando comecei em 4 Blogs, era sempre a mesma coisa: “Tá desvalorizado”. Consertei isso, e o que acontece? “Por que fez isso?”. Isso é indignação!

    Enfim, também faço parte desse “marasmo” que você diz no Post. Há muito tempo não posto aqui no Blog, seja se estou sem vontade, sem tempo, ou não conseguindo… as três opções fazem parte disso. Show semanal mesmo, não vejo o Smackdown há duas semanas, sendo que via TODA vez, mesmo que fosse com atraso. RAW assisto, mas de vez em quando é uns três dias depois que tá disponível. Superstars, que voltei ver, fico “alternando” semana que vejo e sem contar o Impact, que fiquei três semanas sem ver, e várias outras vezes, nem dava tempo.
    Vontade também tá foda. Ontem mesmo já revelei que não sou mais o mesmo nas postagens, e começo a pensar na ideia de se retirar, e se eu sair, é pra sair de vez.
    E não conseguir, é não conseguir mesmo. Escola principalmente. Se eu quisesse parar de fazer lição à partir da semana que vem, podia, já estou praticamente no 2º ano, mas mesmo assim continuo com notas boas, e me matando pra fazer lição. Trabalho que é trabalho, é fazer tudo manuscrito, detalhado, com conclusão que se não tiver boa, é metade da nota indo embora. Professores malditos que se vêem alguém na sala bagunçando, não fazendo lição e escutando música, só dão uma atenção, mas quando você é alguém “diferente” dos outros, não pode falar um “A” que já ameaçam dar uma convocação pelo simples motivo de que não era assim antes.
    Tudo isso se resume em duas palavras: NÃO DÁ!

    Enfim, gostei bastante do Post!

  3. Eu também gostei bastante do meu post, e não utilizei imagens para ver se consigo cativar o leitor até o fim sem apelo ilustrativo, detesto imagens em textos. rs Valeu aos comentários já dados, vocês só reforçam tudo aquilo que eu já citei. Esse texto ia ser maior, mas aí seria massante…

    • Maior = falaria ainda de outros itens relacionados a este tema… Mas acho que acaba sendo até pouco necessários mediante a grande problématica que eu levantei.

  4. Direi simplesmente o motivo pelo qual continuo aqui no GRTR: a diferenciação para todos os blogs de wrestling do mundo. Digo TODOS com convicção, pois o que o Ricardo falou foi perfeito: 99% dos blogs ligados ao tema são o clássico ‘copia e cola’ – e nem cito quando a pessoa simplesmente joga o conteúdo no tradutor e nem tem o trabalho de revisar por conta, por pura ignorância da língua inglesa.

    Aqui encontramos um lugar onde colocamos pensamentos quando eles surgem naturalmente, de acordo com o andamento do próprio esporte no mundo. Não adianta criar coisas do nada ou criar uma obrigatoriedade de pensamento. Quando o assunto surgir e as palavras fluirem, elas certamente serão postadas aqui.

    Reafirmo também a falta de feedback do pessoal. E na minha opinião, acontece simplesmente pela ignorância de uma boa parte do público, que são aqueles adolescentes birrentos e que se acham os donos da sabedoria arcana e que só querem saber o que está havendo, serem “descolados” no meio. Ninguém para pra pensar no que acontece hoje em dia e o porquê acontece. Ninguém pensa. Triste, mas ninguém pensa. Só querem o enlatado e pronto.

    Sou mais um que continuarei a postar quando os pensamentos fluirem. Querem obrigatoriedade de postagem? Vai lá descobrir o que a “Angola Wrestling Federation” fará no seu evento prinicipal e depois se gabe pra todos os seus amigiuinhos disso, ok? Aqui foi, é e será sempre um espaço de pensamentos inteligentes, sensatos e precisos. Pensem nisso e continuaremos numa boa.

      • Fico muito feliz em ler esse comentário. Feliz porque sinto que o objetivo foi completamente cumprido. Que o GRTR, um dia deixando de existir ou existindo pra sempre, conseguiu trocar de pessoas e manter o espírito, manter a filosofia.

        Nas primeiras conversas com o Corba pra criar o blog, queríamos um espaço onde pudessemos falar de luta livre, expor e trocar opiniões. Por isso não iríamos ter notícias: já existe muito blog com notícia por aí. Nada contra. Mas não era o nosso estilo.

        Fico feliz demais em ver que o objetivo foi cumprido. O espaço pra troca de idéias foi criado e mesmo trocando as pessoas, não perdeu o seu estilo próprio.

        O EDL teve um papel fundamental nisso. Sempre chamamos pessoas que pareciam ter o perfil de gostar de escrever e de expor as suas idéias. Mais uma vez: fico muito feliz com o resultado.

        Quando há algum tempo atrás vi que o Telecatch Brazil tinha fechado, percebi o quanto que era afortunado o GRTR. Isso porque o Telecatch Brazil era uma referência e deixaria de existir porque duas pessoas não queriam mais fazer parte. Já o GRTR teve trocas de escritores ao longo do tempo e sempre se manteve no ar. Assim como o PLL também perdeu o Marcos Amaral e não morreu.

        O projeto tem que ser maior do que as pessoas, em meu ponto de vista. E o GRTR é maior do que eu, do que o Corba, do que qualquer um… ele é o GRTR e pronto.

  5. Boa, concordo em boa parte. Eu sou daqueles que em tudo na vida, se estou envolvido, quero o melhor. Claro, existem exceções, mas quero dizer que em grande parte das coisas, eu quero algo bom. E por isso posto aqui. Quantas vezes já me vi sem vontade, preguiça, algumas vezes ocupado e tal, mas encaro isso como um “Trabalho”. no sentido de que tenho uma pendencia com ele, pois, mesmo não ganhando nada, meu nome está no plantel, e quero que eu seja lembrado nele, não apenas mais um nome.

    Mas eu não vejo problema em você (você=pessoa do blog, não você Ricardo :P)não postar, não mesmo, até porque EU sou assim de querer estar lá, comentar e tal, é do meu feitio estar sempre presente, opinar, etc etc… eu só vejo problemas MESMO em duas coisas: algumas pessoas que vão e voltam na blogosfera como se fosse ioiô, pois não se pode confiar em alguém assim, pois em um mês está louquinho por wrestling, postando, comentando… No outro mês, sumiu, se desiludiu.e você fica na mão. A outra coisa que me incomoda demais, e que infelizmente tem muito na blogosfera, principalmente no GRTR é: parar de postar do nada, sumir, reaparecer, postar uma vez, sumir. Como disse, não vejo problema em postar em datas espaçadas, mas po, custa fazer um post, um comentário, mandar um e-mail, Msn, etc etc falando que não postará por tantos dias/meses/anos/décadas por tal e tal?? Não estou pedindo super esclarecimentos detalhados, mas algo como “nos próximos três meses não postarei devido a facul que está me matando” não é absurdo. Mas não, infelizmente o povo se esquece de forma completa daqui. Eu, falando EU, não conseguiria. Quando ver que estou apenas sendo um peso morto (piadinhas em 3,2,1…) ou que não dá mais, farei um post me despedindo e pronto. Acho mais digno.

    E agora, esperar pra parte três… E Ricardo, sei que é difícil e o local não é aqui, mas arruma a aba dos competidores lá 🙂

  6. Realmente, o texto ficou enorme, kkkkk. Mas diferente de muitos textos (como os meus) teve fundamento e tu ta certo, cara, espero me desiludir quando estiver bem velhinho, com os ossos ja fracos e tiver que viver a base de um pulmão artificial, e acho que até lá eles inventem automails melhores, porque se eu for praticar pro wrestling antes da grande desilusão, vou ter que ter um corpo de aço (literalmente). Dai eu morro, e espero ter feito algo de diferente nessa historia. Ah sim, até la quando eu morrer ou me desiludir espero que a WWE esteja bem diferente, não só a WWE, mas tbm a TNA.

  7. Senti um certo romance no ar com o Iran Santiago…rsss

    Brincadeiras á parte, brilhante texto, Ricardo.
    Manter um blog não é realmente nada fácil. Logo no início é uma loucura geral. Quando criamos o Telecatch Brazil, eu e o Rodrigo (Fúria) passavamos a semana sobre ele. Postagens, divulgação, uma doideira. Com o tempo, devido aos problemas decorrentes de se expôr demais as opiniões próprias, fizeram com que o Rodrigo ficasse tão decepcionado em tentar oferecer um trabalho grátis para mostrar os trabalhos de todas as empresas e equipes de Luta Livre do Brasil e ainda ser criticado, que achou melhor se afastar disso. Ficamos então eu e o meu pai (Stiner) “tocando” o TB por mais um tempo, mas eu também já estava cansado. Quando então em conversa com o Stiner, decidimos por dar um tempo. Coloquei o blog do Stiner no ar no lugar do TB. Mas passado pouco tempo, voltamos.
    Voltamos por alguns motivos, mas o principal deles, é que ambos temos a Luta Livre no sangue, e não dá pra fugir disso. Você pode ficar afastado um tempo, mas isso sempre vai correr nas veias.
    Porém hoje, procuramos conduzir o TB de uma forma mais tranquila, pois ambos temos nossas responsabilidades de chefes de família, nossas atividades principais, e ainda acumulo manter a associação de proteção animal que fundei em Pelotas/RS, cidade onde moro a 3 anos (www.apaama.org).
    Não encaro mais o TB como prioridade. Ele está lá, para todos os empresários e chefes de equipes que queiram ver seus trabalhos divulgados lá, mas não mais como uma prioridade em minha vida. É algo que gosto de fazer, que meu pai gosta de fazer, mas levamos ele hoje como algo mais light.
    Acho que esse é o segredo pra manter um trabalho assim sem estresse.
    Excelente texto, mais uma vez meus parabéns, apesar de ter ficado enooooooorme, prendeu a minha leitura até o final.
    Abraço

  8. Eu não posto mais, não é nem simplesmente por falta de tempo. Mas é um conjunto de falta de tempo, com falta de tesão. Afinal, comecei a escrever na blogosfera em 2007/2008 (nossa, como faz tempo! rs) e já tinha 22/23 anos, trabalhava, estava no término da faculdade e era noivo rs.

    Quando falta apenas tempo, você fica doido pra arrumar um tempo pra fazer o que não está conseguindo, até que uma hora você consegue separar um momento e dedicar ao que queria. Quando você NUNCA tem tempo, ou é porque tá ferrado na vida e perdeu o controle, ou é porque tá sem tesão mesmo.

    E o meu tesão passou.

    Hitman Hart, Ric Flair, Shawn Michaels e Undertaker. Não aguentei as perdas. Não consegui me motivar a arrumar espaço na minha agenda e não encontrar esses caras. Até tem como ver um Undertaker que fala e não luta uma vez a cada década, ou um Ric Flair que nem parece o Nature Boy numa TNA falida. Mas não é a mesma coisa.

    Sempre uma WrestleMania poderá me fazer produzir um podcast ou posts. A vontade de assistir uma WMania ao vivo, sempre vai existir. Eu gosto de Wrestling. Mas vendo o Wrestling de hoje, não consigo ser fã.

    Infelizmente.

    De qualquer forma agradeco a todo mundo por ter me proporcionado o GRTR. O sucesso que vocês deram a ele foram algo que sempre vou lembrar na vida como uma idéia que deu muito certo. E ao GRTR vou creditar as experiências “live” que tive, como conversar com o SCSA, com o Air Bourne (os dois, com participação do mala Ricardete rs) e a viagem para SP para conhecer a turma da LLN e subir em um ringue.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s