Overtime #17 – WWE Vengeance 2011

No melhor estilo Edge, aparecendo para algumas exibições esporádicas, chega até você mais uma edição do quadro que em sua premissa reportaria sobre os todos pay-per-views das duas maiores companhias de wrestling dos Estados Unidos, mas agora como só tem uma grande, só reporta WWE… Em novo formato e repaginado para facilitar leitura e porque eu quis, confira o que mudou no Overtime, e ao mesmo tempo como foi o Vengeance!

https://getreadytorumble.files.wordpress.com/2011/04/bannerovertime.png?w=371&h=148&h=123

Build up.

Muito provavelmente você já tenha ouvido falar nessa expressão, porém creio que certa parcela (sendo ela grande ou pequena) não entende do que se trata, então irei me encarregar de dar uma pequena explicação. No mundo da luta livre, quando nos referimos ao build up queremos dizer da promoção gerada em torno do evento, segue um exemplo: O build up do Royal Rumble atualmente é em torno de quem será o vencedor da Royal Rumble Match e terá uma oportunidade pelo título principal na Wrestlemania. Compreende? O build up é a peça chave para um pay-per-view, pois é ele quem definirá o público presente na arena, e acredite em mim, isto faz toda a diferença em como assistimos o show, o Money In The Bank deste ano está aí para comprovar.

Nesta temporada pós-WrestleMania até ao TLC a WWE tem passado a criar uma promoção em torno de 2 ou 3 combates, garantindo assim uma venda razoável de pay-per-views.

Se há 4 grandes eventos da WWE, como Royal Rumble, WrestleMania, SummerSlam e Survivor Series, como denominaríamos o resto? Bem, eventos classe B, ok? Se bem que pay-per-views como o Capitol Punishment entram na categoria C… Os da TNA na E. Os da CZW ficam no Z! Dos pay-per-views B da WWE, até o presente momento, o que teve maior build up fora o Money In The Bank, afinal de contas quem não queria ver como se sucederia aquela história de CM Punk deixar ou não a WWE com o título? Sem contar com as Money In The Bank Ladder Matches…

Desde este pay-per-view surgira então uma revolução na WWE, e se você tem acompanhado os shows semanais ou pelo menos lido os reviews que o Modestinho não posta aqui no blog, você deve saber do que estou falando…

Agora que já estamos todos nivelados vamos falar do build up para o Vengeance 2011. Alberto Del Rio como um campeão ainda sem crédito a encarar John Cena em uma Last Man Standing Match, meio a uma rivalidade onde seguiram o protocolo exato de face vs heel, sem trazer nada de novo e exatamente a mesma coisa como já vimos desde… Desde que acompanhamos essa joça! Mas tinha uma luta que nos interessava, afinal de contas, CM Punk e Triple H vs Awesome Truth iria tender a ser interessante, não? Até porque a principal storyline da empresa tem se baseado sobre Triple H, R-Truth e The Miz, CM Punk de certa forma e Laurinaitis… Porém como toda feud boa da WWE, esta começara a criar uma mini-fórmula de repetição, porém nada que tenha estragado a promoção do pay-per-view.

O que mais havia de interessante? Vejamos, se você é fã de Randy Orton e estivesse a fim de pagar para ver mais do mesmo que é exibido na SyFy, eis a sua chance única na vida (de jogar dinheiro fora!). Mas calma, há algo bom ainda por vir… Big Show e Mark Henry, quem não quer ver o confronto de peso? Sem ironias, o World Heavyweight Champion aumentou consideravelmente o rating do SmackDown, que antes andava na casa dos 1.7, 1.8, 1.9… Agora é tudo em torno dos 2.2, 2.3… Isso comprova a teoria de que americanos são gordos e adoram gordices. Quem sabe assim o Gustavo arrume uma namorada americana? Encante-a com seu bigode charmoso garotão!

Voltando ao foco, dá para nitidamente perceber que a promoção fora baseada em dar continuidade a storylines, e não a fim de vendagem de pay-per-views, o que é uma estratégia até compreensível, uma vez que pretende-se que o showdown seja o Survivor Series, onde o preço do pay-per-view provavelmente deve ser um pouco mais salgado, e atrairá muito mais gente do que o povo que comprou o Vengeance. Aqui vemos a diferença entre WWE e TNA, a TNA iria apostar em um return para forçar o povo a comprar o pay-per-view, o público muito provavelmente se desapontaria e não compraria o pay-per-view seguinte, que seria o objetivo central da empresa.

Concluindo, o build up fora a fim de dar continuidade nas rivalidades, e o show se baseou basicamente nisto, então se é para dar uma nota de build up eu daria nota 5. Se houve algum combate inédito, ele se repetirá ao longo das semanas, logo não faria muito sentido pagar para ver algo que em breve estaria a acontecer novamente, certo?

Steal the show!

Seguindo diretamente para o segundo tópico do artigo, o “Steal the show!” vai merecidamente para o combate de abertura. Já devo ter perdido a conta de quantas vezes Dolph Ziggler, Jack Swagger, Evan Bourne e Kofi Kingston trabalharam em conjunto no ringue, e incrivelmente apesar do número de vezes em que já o fizeram, eles são capazes de criar algo novo, acima de tudo. Inovar no meio deste mar de repetições não é tarefa fácil, e muito dos méritos vai a Dolph Ziggler que fora capaz de utilizar seu overselling para animar o público de Texas, que muito provavelmente prefere bang bang e explosões. O combate durou cerca de 15 minutos e entreteve do começo ao fim, com vitória dos campeões de dupla AirBoom que retiveram o cinturão. Vale ressaltar que se Ziggler ganhasse ele se tornaria campeão de duplas ao mesmo tempo em que seria campeão americano, um fato que se a WWE estivesse a fim de explorar, poderia até causar uma futura rivalidade entre Jericho e Ziggler, porém não optaram por tal… Que seja, o mundo não é perfeito.

What a rush!

Não se assuste, pois com o tempo vocês irão se acostumar ao novo formato do Overtime… What a rush vai para a luta entre Big Show e Mark Henry. Seja sincero, você espera que dois caras que se somados ao peso dão metade de um Gustavo realmente sejam capazes de fazer uma boa luta? Detalhe, depois da luta de duplas, a crowd esteve silenciosa o tempo inteiro, até mesmo na luta envolvendo Triple H e CM Punk, e bastou começar a troca insana de golpes das duas feras para os texanos vibrarem. A colisão de mundos também rendeu em um dos melhores momentos do ano, que vai entrar pro DVD do Inter, e da WWE! Mark Henry e Big Show estavam no turnbuckle quando um ia dar um superplex no outro e no fim das contas caíram os dois destruindo o ringue no melhor estilo Lesnar vs. Big Show. O público ficou insano e foi a loucura! Eu bem que falei que texano adora bang bang e explosões…

Lagoa Azul da noite.

A competição foi acirrada, mas o vencedor da primeira edição do prêmio Lagoa Azul vai para… Sheamus vs Christian! Apesar de Orton e Cody Rhodes estarem fazendo a n-ésima luta entre eles, e o mesmo valer para Beth Phoenix e Eve Torres, desta vez se superaram! Sheamus e Christian tem se enfrentado todo santo show em que aparecem, e até no pay-per-view os caras entram para fazer figuração. É mais do que óbvio que lutaram sem apoio nenhum do público, independente do quanto eles produzissem no ringue. O mesmo vale para as outras lutas citadas.

Table of Japan:

Não sei se vocês acompanham algo de puroresu, ou pelo menos os Botchamanias, mas se tem uma coisa mais dura do que as mesas do Japão, eu não sei o que é… Bem, o contexto aqui é simples, Table of Japan é o momento onde irei citar rapidamente sobre o que realmente importa se você deseja ver o pay-per-view, ou assistiu por alto e quer ver o que perdeu…

Dolph Ziggler e Jack Swagger vs AirBoom

Essa open-match é clássica, eles fizeram o papel deles e com maestria, porém esses 4 ainda tem que comer muito arroz e feijão para chegar ao nível de main eventer, digo, eles tem que melhorar o personagem e mic skills… Até lá, não dá para levá-los muito a sério…

Zack Ryder vs Dolph Ziggler

A chance que o Long Island Ice Z! tinha de se tornar um campeão de verdade foi adiada, mais uma vez. A WWE tem usado o Ryder nos shows mais por obrigação do que por desejo, eu imagino que o sentimento deve ser semelhante ao de ter que fazer um trabalho junto de uma pessoa indesejável, mas é obrigado porque não ter opção… Ou a WWE começava a usar o cara, ou ele faria sucesso por fora podendo se tornar maior até do que a própria empresa, e eu falo sério! Mantê-lo no show é uma maneira de torná-lo um midcarder, agradar o público, deixá-lo longe de cena (não do Cena) ao mesmo tempo, assim seu status fica reduzido de certa forma, apesar de sua gimmick estar bem construída.

Lagoa Azul

Aqui foi tudo repetição, você já viu isto antes em algum show.

CM Punk e Triple H vs Awesome Truth

Simplesmente continuação da rivalidade, foi interessante ver Punk e HHH fazerem a base heel, dando o troco em Truth e Miz… Pena que no final de tudo – estava legal a luta – o Kevin Nash aparecer para estragar a joça toda! Mas ok, eu tenho certeza que do TLC essa storyline não passa!

Mark Henry vs Big Show

Dois gigantes do ringue… Fazendo barulho pra danar! Luta típica do comentário “porradaria foda!”, que termina sem resultado… 2º combate com final não muito digno, porém desenrolar interessante.

John Cena vs Alberto Del Rio

Last Man Standing match padrão, os dois usaram a arena para causar impacto, com direito a Del Rio entulhando Cena com fibra de plástico que não pesa mais do que 500g, mas fez parecer 1 t. No final, Awesome Truth não satisfeito que o main event fosse terminar de forma limpa foram atacar Cena para dar lógica ao pay-per-view seguinte, e vitória del patrón Alberto Del Rio! And here we go again! E olha que eu parei de ver TNA porque me irritei de tantas interferências em combates…

Avaliação Geral: 5/10.

Um pay-per-view regular, com boas exibições, continuação de storyline, mas sem importância nenhuma para a história da luta-livre… Ok, podem até citar o ringue caindo, mas isso não é um fato associado ao evento, e sim a dois lutadores. Ninguém vai comprar o dvd do Vengeance apenas para ver os dois destruindo o ringue.

Agora faço o convite a você, leitor, que deixe sua opinião abaixo comentando o que achastes do evento. Sim, tive que fazer esse texto agora por dois motivos. Número 1: Se eu não fizesse alguém iria roubar meu lugar com as análises de pay-per-views. 2: Eu decretei que segunda-feira era meu dia de folga! E quem não gostou que vá ouvir um pouco de Matanza e me permita ser educado.

Abraço e até a próxima WrestleMania… Ou Survivor Series…

Anúncios

9 comentários em “Overtime #17 – WWE Vengeance 2011

  1. Gostei do novo formato. É longo, mas ao mesmo tempo rápido, acho que devido os subtítulos.

    O PPV foi isso ai, na média dos “PPV’s B” da WWE (gostei dessa termologia) com coisas boas em cada parte do show, como a open, depois a quebra do ringue, e o ME que foi bem trabalhado e com o resultado favorável e bom.

    Não me prolongarei muito nos comentários pois você já disse boa parte do que achei. Apenas estou curioso pra ver o SS, que pelo jeito será baseado APENAS na volta do Rock. Vender, vende, mas é “justo” com quem se mata 300 dias do ano?? É algo a se pensar. E falando em vender o PPV, gostei como a WWE usou o nome vengeance como vingança e tal, explora bem e mostra que os PPV’s tem que ter nomes bons, não capitol punishment (???).

    E o meu bigode deu o que falar, já tirei, mas continuo foda 😛 E não preciso de americanas, já tenho brasileiras (h) 😛

  2. kkkkkkk’ coitado do Gustavo, os caras não perdem a oportunidade de bullyna lo!

    Mas em relação ao ppv, creio q teve seus altos e baixos por ser um ppv de nível baixo/médio como vcs citaram.Acho que ele surpriendeu bastante em alguns fatores, mesmo tendo matchs repitidas e tals. Nunca consigo fazer uma perfeita avaliação dos ppvs, pq sempre perco partes (malditos streams!) e não revejo depois. Agora com o Survivor Series, entraremos indiretamente no Road to Wrestlemania. Nesse ppv q na minha opinião é superior ao Summer Slam, o bagulho vai começar a esquentar, e as feuds já serão projetadas… mas vamos esperar! Bookers, não avacalhem…

  3. Eu gostei bastante de PPV e acho que ele foi de bom pra quase ótimo. Tirando Orton vs. Rhodes, pois Orton não dá, Beth vs. Eve e Sheamus vs. Christian, que foi boa, mas não tem mais fundamento algum, todas as lutas tiveram um pouco, ou muito de objetividade e foram bem trabalhadas.

    O Flashback de Lesnar e Show, mesmo que tenha sido copiado, pra mim foi épico e histórico. Não me importo muito que já tenha acontecido, pois é bom que tenha nesse momento, pra mostrar que a WWE não vive só de antigamente, e ainda sim pode nos entreter com Spots de ficar com a boca aberta. E tá ai pra quem não acreditava no reinado do Henry, ou simplesmente nele mesmo. Tá rulando demais, e vem fazendo um personagem muito foda, e se continuar assim, terá um reinado melhor que o do Kane ano passado.

    É de se notar que o Nash tá muito melhor fisicamente. Já recuperou alguns músculos, tá com mais força, e o principal é que não cambaleia mais após executar um golpe, coisa que acontecia em dois meses atrás.

    Bem, gostei desse novo estilo de postagem do Overtime, bem criativo e menos cansativo! xD

    E ótima postagem também!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s