Dead House – E no Fim …Ainda Estamos Aqui!

Sim meus caros, chagamos ao fim de uma era. Já tinha me dado conta disso já há algum tempo, mas com a luta na WM 28 dos três remanescentes Undertaker, HBK e HHH, parece que a ficha caiu, não só pra mim creio eu, mas para todos que acompanharam o início dessa intensa jornada.

Não só uma era se encerra, mas também uma geração de lutadores. No início dos anos 90, essa geração surgia com novos talentos, mais rápidos, mais fortes, tão carismáticos quanto os antigos. De uma forma abundante nunca antes vista na WWF. A empresa anunciava seus novos lutadores, como The New Generation of the World Wrestling Federation , dentre eles Undertaker, HBK, Hunter, Lex Lugger, Bigelow, Diesel, Razor Ramom, 123 Kid, Tatanka, Doink, Yokozuna e muitos outros.

A geração passada ainda estava na ativa ou na WWE ou na WCW, nomes como Bret Hart, Hogan, Savage, Rick Rude, Piper, Sgt Slaughter, Jim Duggan, Flair, DiBiase. Mas a WWF também passava por uma transformação poderosa, com o objetivo de ser a maior federação do mundo. O Show ficou mais em evidência, feuds ganharam mais importância, personagens mais densos e espetaculares, maiores dramas, mais heróis e mais vilões, lutadores agora são superstars. O show se profissionalizava, e cada vez mais a federação de luta se transformava em um estupendo produto comercial.

Business a parte, tive o privilegio e a sorte de acompanhar esses lutadores por quase duas décadas. Quando comecei a assistir os shows, The Undertaker tinha apenas 4 anos de WWF, e nem era o Deadman ainda. HBK era um streaper odiado por todos (menos as mulheres) e Triple H ainda era um plebeu, e estava longe de saber jogar o jogo.

O inicio do fim...

Nesse ultimo 1 de Abril, a Hell in a Cell foi algo extraordinário, uma luta que a WWE estava nos devendo há muito tempo. Foi tudo perfeito. O ódio de um Undertaker com sede de vingança pela luta passada, o descontrole de HHH que não estava disposto a perder novamente, o drama de HBK em fazer o certo e o errado. Mais uma vez Michaels estava entre o céu e o inferno, mais uma vez The Game ditava as regras do jogo, e mais uma vez o Deadman defendia sua fenomenal streak contra tudo e contra todos. A performance dessas três lendas na cela deixou a streak bem menos importante, o que estava em jogo ali era a resolução de um conflito que durou uma geração inteira, uma feud que durou uma era.

Foi realmente uma luta inesquecível e uma noite inesquecível, onde os últimos sobreviventes de uma geração que serviu de base para que a WWE chegasse onde chegou, ser o que ela é, deram um ultimo e épico show. Talentos como esses, a meu ver, não surgiram mais na WWE, até mesmo pela própria política atual da empresa de Vince, onde os lutadores são suprimidos, onde seus talentos são podados, deixando-os cada vez mais robotizados e repetitivos, nessa nova e entediante formula.

Estou feliz por ter visto o início e o fim de uma era histórica da WWE, onde outros nomes também surgiram com o passar dos anos como Kane, The Rock, Stone Cold, Edge, A Família Guerrero, RVD, Christian, Angle, Foley, Big Show, Orton, JBL, Punk, Jerichó, os Hardys, todos de suma importância para moldar o WWE Universe de Vince McMahon. Nesse universo HBK , Undertaker e Triple H estavam no Big Bang e por muitas vezes mantiveram o equilíbrio desse universo.

Momento mitológico.

Agora essas três estrelas de primeira grandeza se dispendem desse cosmos, deixando-o mais vazio e menos brilhante. Mas ainda estamos aqui, eu e a “velha guarda” de fãs, acompanhando não tão empolgados como antes, mas ainda estamos aqui, por causa do amor que sentimos por esse esporte, por causa dessa geração de lutadores fantásticos, por causa de apresentações únicas como esta.

Aproveitem o momento, assistem essa luta, sintam a essência dessa geração, desses guerreiros. Não esperem outro big bang meus amigos, pois infelizmente, ele não virá.

.

.

Sheamus vs. Daniel Bryan

Prometia...

É lamentável que lutas como essa aconteçam, principalmente numa Wrestlemania. Dois dos maiores talentos que a WWE possui, desperdiçados dessa forma.

Espero que isso não aconteça mais. Mas já viu né… isso é WWE.

R.I.P!

Meu filhote Max! Chorou ao ver o Triple H ser carregado, mas comemorou o 20x0 com a taunt do coveiro...hehe

Anúncios

10 comentários em “Dead House – E no Fim …Ainda Estamos Aqui!

  1. QUE TEXTO!! Só alguém que os viu crescer, evoluir e se transformarem nessas lendas absolutas, para sintetizar tão bem o que foi exatamente essa luta, que não poderia ter nome melhor, ou seja, end of an era.

    Eu assisti a luta, e logo assisti novamente no dia seguinte. Foi incrível, em termos de psicologia e história, acho que foi a maior e melhor que já vi, e em termos de wrestling, uma das maiores da história da WM. Detalhe pro FILHO DA PUTA do Meltzer que, pela terceira vez em quatro anos, dá uma nota 4,75 para uma luta do Taker no WM. Ele quer o que pra dar 5 estrelas? Chops que destroem o peito? Mark de puroresu do caralho… Ok, me irritei HUASHUASHUHUAS

    Mas é, incrível, end of an era com letra maiúscula, e, quando é para ser o “start of an era”, ou seja, Sheamus vs Bryan, o que fazem? Defecam em tudo. Por essas e outras que nunca se pode confiar plenamente nos planos da WWE.

    Ps: OLHA O TAMANHO DO MAX!!! :O Como o tempo passa hein, incrível. Espero que esteja tudo bem, e que esteja mostrando as coisas BOAS do PW pra ele hein HAHAHAHA

    Belo texto, abraço!

  2. Caraca, heim, papai? O filhote já tá grande e invocando as sombras. Tem futuro =p

    Sério, ótimo texto. Eu vi o WM deste ano até a luta deles. A magnitude que vimos naquele ringue foi algo tão espantoso e inacreditável que quando a luta acabou, desliguei o computador porque saberia que NADA ali superaria (mesmo depois vendo e gostando de Jericho vs. Punk). Foi uma história construída com coração e vontade. Pior é ver uma criançada dizendo que Cena vs. Rock foi melhor do que essa luta, que merece de verdade (e não nesses rankings americanos estúpidos) 5 estrelas. E quanto a Sheamus vs. Bryan, eu me recuso a comentar…

    Enfim, ótimo texto, parabéns.

    • Realmente Aranha, foi uma luta muito especial, principalmente pra quem não só viu mas entendeu aquilo tudo. Parecia um universo a parte dentro da cela.

      O Max é muito engraçado rsrs tive que compartilhar essa foto com o blog!

  3. Quero ver esse muleque treinando wrestling com o pai 😀
    Daqui a pouco será ele que estará escrevendo nesse, ou até em outro blog, muito bacana isso.
    Quanto a luta, foi foda, esse palavrão que posso usar para descrever xD. Nunca vi anta experiência reunida em uma só luta, foi incrível como eles fizeram tudo isso, seria mais épico se fosse no Main Event, mesmo assim fechou com chave de ouro. Parabéns pelo texto, muito bom mesmo cara.

    P.S: A quanto tempo vc acompanha wrestling e como/onde vc descobriu e viu pela primeira vez?

    • Jin meu camarada, meu primeiro contato com a luta livre foi no inicio dos anos 90, com a GLOW – Luta livre de mulheres, que passava no SBT, depois veio o Supercatch da Manchete e daí não parei mais.

      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s